Exportações continuam a crescer até 46% do PIB já em 2019

A nova dinâmica exportadora das empresas portuguesas veio para ficar, podendo representar metade do PIB em 2025. A chave é a inovação. Empresas mais inovadoras têm lucros oito vezes maiores e criam quatro vezes mais emprego

As exportações vão continuar a crescer na próxima década, apoiadas na inovação, internacionalização e na melhoria do acesso ao crédito. Esta foi a ideia central da conferência de lançamento dos prémios Millennium Horizontes - iniciativa conjunta do Millennium bcp e do Global Media Group - destinados a apoiar as "empresas que conseguem ir mais longe".

Tal como referiu o novo presidente da AICEP, as vendas ao exterior deverão passar dos atuais 40% do PIB para 46% já em 2019. Luís Castro Henriques considera mesmo "provável" que em 2025 possam subir para um patamar de 50%.

Para este dinamismo, Castro Henriques considera ter contribuído a modernização do país, o investimento tecnológico, a abertura dos empresários à mudança e, em particular, a crise, "que pôs a tónica na necessidade de ir para fora".

Uma ideia partilhada pelo presidente do Conselho de Administração da Global Media Group, Daniel Proença de Carvalho, para quem a crise foi um "período triste", mas que teve o condão de "levar as empresas a um novo paradigma, assente na procura de novos mercados". Ainda assim, lembrou, só 3% do total das empresas exportam e há oportunidades por explorar na América Latina, Ásia e em África.

António Simões, presidente da Sovena, o primeiro operador mundial no setor de óleos e azeite, que em 15 anos passou de uma situação em que 80% do seu mercado estava em Portugal para outra inversa com 80% das vendas fora de portas, alinha no mesmo entendimento. É a diferença entre vender 200 milhões em 2001 ou 1500 milhões agora.

"Mais do que exportar, nós internacionalizámos", o que significa criar unidades de negócio nos mercados que se querem explorar, desde a Espanha ao Brasil, desde Marrocos a Angola e Estados Unidos. A Sovena, que já controla 40% do mercado ibérico, está apostada em criar um cluster em países do Mercosul, como Brasil, Chile e Argentina, e conta com um plano de investimentos em novas plantações superior aos 250 milhões de euros, que também incluem a Califórnia.

Instado pela moderadora - a diretora do Dinheiro Vivo, Rosália Amorim - a explicar como uma empresa de um setor tradicional consegue vingar na era da indústria 4.0, António Simões explicou, por exemplo, que a parte de irrigação de uma área que vai de Portugal a Espanha é gerida a partir de um computador em Ferreira do Alentejo.

É quando a inovação é integrada em todos os processos de uma empresa que se obtém os melhores resultados, lembrou o diretor-geral da COTEC, Jorge Portugal. Segundo aquele responsável, as empresas mais inovadoras exportam seis vezes mais, têm lucros oito vezes maiores, registam ganhos de produtividade por trabalhador 50% acima da média, criam quatro vezes mais emprego e pagam salários 60% mais elevados.

A COTEC assume como missão "ajudar as empresas a criar a sua rede de inovação", através, nomeadamente, de uma ferramenta de gestão desenvolvida para o efeito: a "Innovation Scoring". Segundo Carlos Cabeleira, da COTEC, aquela ferramenta já foi utilizada por mais de 700 empresas e funciona como um complemento à análise de risco dos projetos de inovação, que ficará disponível também para as empresas que se candidatarem aos prémios e lhes permitirá comparar os seus indicadores com a média do setor.

Também a The Navigator Company, que tem a maior fábrica de papel da Europa, conta com a inovação para combater as desvantagens naturais face a países como o Brasil, onde a quantidade de pasta de papel obtida por hectare é quatro vezes superior. A empresa, que fatura 1600 milhões de euros, optou por concentrar 75% da sua produção no papel, e mais de 50% das vendas em papel "premium" que permite ganhos substanciais nos preços, sobretudo nos mercados mais ricos, explicou o administrador Manuel Regalado.

"Estar nos mercados onde os clientes precisam que estejamos faz parte do nosso ADN", disse a administradora executiva do Millennium bcp, Conceição Lucas, referindo-se também às parcerias com bancos estrangeiros e à consultoria integrada "chave na mão" que o banco oferece aos clientes com projetos de internacionalização nos domínios financeiro e jurídico, entre outros.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.

Premium

Rogério Casanova

Três mil anos de pesca e praia

Parecem cagalhões... Tudo podre, caralho... A minha sanita depois de eu cagar é mais limpa do que isto!" Foi com esta retórica inspiradora - uma montagem de excertos poéticos da primeira edição - que começou a nova temporada de Pesadelo na Cozinha (TVI), versão nacional da franchise Kitchen Nightmares, um dos pontos altos dessa heroica vaga de programas televisivos do início do século, baseados na criativa destruição psicológica de pessoas sem qualquer jeito para fazer aquilo que desejavam fazer - um riquíssimo filão que nos legou relíquias culturais como Gordon Ramsay, Simon Cowell, Moura dos Santos e o futuro Presidente dos Estados Unidos. O formato em apreço é de uma elegante simplicidade: um restaurante em dificuldades pede ajuda a um reputado chefe de cozinha, que aparece no estabelecimento, renova o equipamento e insulta filantropicamente todo o pessoal, num esforço generoso para protelar a inevitável falência durante seis meses, enquanto várias câmaras trémulas o filmam a arremessar frigideiras pela janela ou a pronunciar aos gritos o nome de vários legumes.