Expansão da Amazon em Espanha abre porta à entrada em Portugal

Aposta da Amazon em Espanha leva analistas portugueses a considerar como "provável" a entrada no país. Sonae é a maior rival

A primeira pista surgiu em março. A Amazon anunciou um acordo com a Repsol para a instalação de pontos de recolha de encomendas nos postos de abastecimento da gasolineira em Portugal e Espanha.

Nos últimos anos, o país vizinho tem sido a grande aposta na Europa da empresa fundada por Jeff Bezos. Desde 2011, a Amazon investiu mais de 500 milhões de euros em Espanha e abriu seis centros logísticos, estando prevista a inauguração de mais duas megainfraestruturas até ao fim deste ano. Mas o salto para o mercado português pode estar para breve. Uma nota de análise do Caixa Banco de Investimento publicada nesta semana destaca que a Amazon deverá atravessar a fronteira "mais cedo ou mais tarde".

Sublinhando que a informação carece de confirmação oficial, o CaixaBi destaca, porém, que "a possibilidade de tal vir a acontecer a relativamente breve trecho é agora mais elevada". Ao DN/Dinheiro Vivo, o banco de investimento suporta a aposta "nos planos anunciados pela Amazon de abrir uma plataforma logística de dimensão considerável em pleno centro da Península Ibérica".

A referência do CaixaBI surge na sequência de uma análise às contas da Sonae, detentora da cadeia de bens de consumo eletrónico Worten. A concretizar-se a entrada da Amazon no mercado português, a Worten seria - a par da Fnac e do Media Markt - a principal ameaçada pelo surgimento de mais um concorrente. "A referência à potencial entrada da Amazon no nosso mercado doméstico destina-se a chamar a atenção dos investidores para alterações importantes no mercado de eletrónica de consumo, tanto a nível europeu como no mercado ibérico, onde a Worten atua", destaca o CaixaBI.

Sublinhando que "a Sonae tem vindo continuamente a melhorar a sua oferta online há bastante tempo", na "tentativa de assegurar a fidelização de clientes de e-commerce e dificultar a vida a concorrentes atuais e potenciais", o CaixaBI afirma na avaliação à retalhista que, ainda assim, "não seria surpreendente que a Sonae tomasse uma atitude agressiva neste segmento em breve".

As contas oficiais da Sonae revelam que, no primeiro trimestre do ano, as vendas online da Worten em Portugal aumentaram 62% em relação ao ano passado, enquanto em Espanha a subida rondou os 30%. Em 2016, o comércio digital da cadeia de eletrónica já tinha disparado 50% no mercado ibérico.

O DN/Dinheiro Vivo tentou entrar em contacto com a Amazon, sem sucesso até ao fecho desta edição. Também contactada, a Sonae não quis tecer comentários sobre o tema uma vez que apresenta os resultados do primeiro semestre na próxima semana.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.