Presidência do Eurogrupo não corre risco de ser decidida por sorteio

Alto responsável do fórum de ministros das Finanças explicou que o processo de eleição prevê a realização de quantas voltas forem necessárias até um dos quatro candidatos alcançar uma maioria simples

A eleição do novo presidente do Eurogrupo, na próxima segunda-feira, em Bruxelas, não corre o risco de ser decidida por sorteio, mesmo que persista um empate, como aconteceu com a relocalização das duas agências que deixam o Reino Unido.

Antecipando a eleição, "corrida" à qual concorrem quatro candidatos, entre os quais Mário Centeno, um alto responsável do fórum de ministros das Finanças da zona euro explicou hoje em Bruxelas que o processo de eleição prevê a realização de quantas voltas forem necessárias até um dos quatro candidatos alcançar uma maioria simples (ou seja, pelo menos 10 votos entre os 19 membros da área do euro).

O mesmo responsável disse estar absolutamente convicto de que o processo "será rápido, havendo 99,9% de possibilidades" de não serem necessárias mais que duas ou três voltas para encontrar o nome do sucessor de Jeroen Dijsselbloem, mas mesmo que persista um empate a votação prosseguirá até ser necessário. "Não acontecerá como com as agências", referiu.

Em 20 de novembro, tanto a nova sede da Agência Europeia do Medicamento (EMA) -- à qual concorria o Porto -- como a da Autoridade Bancária Europeia (EBA), que deixam o Reino Unido no quadro do 'Brexit', acabaram por ser atribuídas a Amesterdão e Paris, respetivamente, por sorteio.

Em ambos os casos se verificaram igualdades a 13 votos na terceira e derradeira volta (Amesterdão enfrentava Milão; Paris era finalista com Dublin), já que, entre os 27, um Estado-membro votou nulo nos dois casos, tendo então os vencedores sido encontrados por sorteio.

Para o Eurogrupo esse cenário não se coloca e não há um número limite de votações, pelo que Mário Centeno, Pierre Gramegna (Luxemburgo), Peter Kazimir (Eslováquia) ou Dana Reizniece-Ozola (Letónia) terão mesmo de conquistar uma maioria simples para se tornarem o novo líder do fórum.

O Conselho precisa que "se nenhum dos candidatos recolher pelo menos 10 dos 19 votos dos membros do Eurogrupo no final da primeira volta da votação, cada candidato será informado individualmente do número de votos que ele/ela recebeu".

"Os candidatos terão então a oportunidade de retirar a sua candidatura. A votação prosseguirá até ser alcançada a maioria simples em torno de uma das candidaturas", explicam os serviços do Conselho da UE.

De acordo com a agenda de trabalhos da reunião de segunda-feira do Eurogrupo, que terá início em Bruxelas às 13:00 locais (12:00 de Lisboa) a eleição ocorrerá no final da primeira ronda de trabalhos (e antes de uma reunião alargada a 27 para preparar a "Cimeira do Euro" que se realiza em dezembro), devendo então o vencedor ser conhecido antes das 18:00 locais (17:00 de Lisboa), hora marcada para o arranque da segunda parte da reunião.

Ler mais

Exclusivos