Eurodeputados recusam cortes na coesão propostos por Bruxelas

PS e PSD manifestaram-se hoje no Parlamento Europeu

O PS e o PSD rejeitaram hoje, em intervenções no Parlamento Europeu (PE), cortes nas verbas para a Política de Coesão, ao contrário do que propõe a Comissão Europeia no Quadro Financeiro Plurianual (QFP) 2012-2027.

O eurodeputado José Manuel Fernandes (PSD), que integra a Comissão dos Orçamentos do PE, salientou - intervindo num debate com o presidente da Comissão Europeia, Jean-Claude Juncker, sobre o QFP 2021-2027 -- ser "importante que a Política de Coesão não seja reduzida", salientando a importância desta para "o investimento na União Europeia".

"Pergunto aos Estados-membros se estão disponíveis para cortar nos montantes que recebem", acrescentou, defendendo também que a Política Agrícola Comum se deve manter "no envelope atual".

Por seu lado, Maria João Rodrigues (PS), que é membro da Comissão de Emprego e Assuntos Sociais do PE, considerou, também numa intervenção na plenária, que "o que importa é termos um forte compromisso com a coesão e convergência".

"No PE, vamos lutar para que a coesão não seja sacrificada e que a zona euro inclua instrumentos claros para ultrapassar divergências", disse Maria João Rodrigues.

O presidente da Comissão Europeia apresentou hoje "um orçamento moderno, simplificado e mais flexível" para a União Europeia para o período 2021-2027, que inclui novos mecanismos para responder a crises económicas e cria maiores sinergias entre programas.

Com base nas propostas hoje apresentadas, o executivo comunitário irá nas próximas semanas avançar com propostas detalhadas para os futuros programas setoriais e arrancarão as negociações com o Conselho (Estados-membros) -- no qual o QFP tem que ser aprovado por unanimidade - e o Parlamento Europeu, esperando a Comissão Europeia que seja alcançado um acordo antes das próximas eleições europeias, agendadas para maio de 2019.

Exclusivos

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Uma opinião sustentável

De um ponto de vista global e a nível histórico, poucos conceitos têm sido tão úteis e operativos como o do desenvolvimento sustentável. Trouxe-nos a noção do sistémico, no sentido em que cimentou a ideia de que as ações, individuais ou em grupo, têm reflexo no conjunto de todos. Semeou também a consciência do "sustentável" como algo capaz de suprir as necessidades do presente sem comprometer o futuro do planeta. Na sequência, surgiu também o pressuposto de que a diversidade cultural é tão importante como a biodiversidade e, hoje, a pobreza no mundo, a inclusão, a demografia e a migração entram na ordem do dia da discussão mundial.