EUA e China chegam a acordo e suspendem guerra comercial

Pequim aceitou aumentar substancialmente as importações dos EUA. Trump suspendeu taxas aduaneiras sobre metais

A guerra comercial entre os Estados Unidos e a China, as duas maiores economias do mundo, foi suspensa. Pequim aceitou aumentar significativamente as importações de produtos norte-americanos e, em resposta, Washington recuou na aplicação de tarifas aduaneiras penalizadoras às importações de aço e alumínio provenientes da China.

"Houve um consenso em tomar medidas para reduzir substancialmente o défice comercial de bens dos Estados Unidos com a China", refere o comunicado conjunto. "Para atender às crescentes necessidades de consumo do povo chinês e à necessidade de desenvolvimento económico de elevada qualidade, a China irá aumentar significativamente as compras de bens e serviços dos Estados Unidos", adianta a nota.

O acordo foi alcançado no sábado, depois de negociações entre os dois países. Apesar de não haver um compromisso em relação a montantes, o acordo marca a concretização de mais uma das promessas de Donald Trump, na sua campanha para tornar a América "grande de novo", incluindo trazer a produção de bens para solo americano.

O presidente dos Estados Unidos pretende reduzir o défice comercial com a China, que no ano passado foi de 375,2 mil milhões de dólares (318,5 mil milhões de euros). "Estamos a suspender a guerra comercial. Neste momento, concordámos em suspender as tarifas", disse o secretário do Tesouro de Trump, Steven Mnuchin numa entrevista ao canal Fox News.

Washington e Pequim anunciaram no sábado, num comunicado conjunto, que vão agora definir as medidas que permitirão o aumento das importações por parte da China, nomeadamente dos setores da agricultura e energia.

Larry Kudlow, assessor de Trump para os assuntos económicos, sugeriu, em declarações à CBS, que a China concordou em reduzir o seu excedente face aos EUA em 200 mil milhões de dólares (170 mil milhões de euros), o objetivo fixado pela Casa Branca.

Tréguas temporárias

Para já, o clima é de tréguas entre as duas maiores economias do mundo. Mas ainda há um caminho a percorrer nas negociações. Washington pode vir a aplicar taxas aduaneiras penalizadores a importações chinesas. Segundo o assessor principal de Trump para os assuntos económicos, as tarifas fazem parte das negociações.

Trump ameaçou aplicar taxas aduaneiras de até 150 mil milhões de dólares (127,4 mil milhões de euros) sobre importações chinesas como retaliação por alegadas práticas comerciais injustas e violação de direitos de propriedade industrial. Pequim ameaçou também retaliar, incluindo com a aplicação de taxas aos bens que mais importa dos EUA, nomeadamente automóveis, aviões e soja.

Além da vontade de aplicar taxas a determinados bens importados, Trump tem adotado como estratégia de negociação atacar empresas específicas dos países com os quais pretende negociar acordos.

No caso da China, a ZTE é um alvo e a gigante tecnológica sofreu sanções por parte de Washington depois de admitir ter vendido produtos contendo componentes norte-americanos ao Irão e à Coreia do Norte. A empresa tecnológica chinesa teve de suspender as operações depois de ser proibida de comprar componentes aos EUA. Resolver este dossiê é uma prioridade para Pequim.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Nuno Artur Silva

Notícias da frente da guerra

Passaram cem anos do fim da Primeira Guerra Mundial. Foi a data do Armistício assinado entre os Aliados e o Império Alemão e do cessar-fogo na Frente Ocidental. As hostilidades continuaram ainda em outras regiões. Duas décadas depois, começava a Segunda Guerra Mundial, "um conflito militar global (...) Marcado por um número significativo de ataques contra civis, incluindo o Holocausto e a única vez em que armas nucleares foram utilizadas em combate, foi o conflito mais letal da história da humanidade, resultando entre 50 e mais de 70 milhões de mortes" (Wikipédia).

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.

Premium

Rui Pedro Tendinha

O João. Outra vez, o João Salaviza...

Foi neste fim de semana. Um fim de semana em que o cinema português foi notícia e ninguém reparou. Entre ex-presidentes de futebol a serem presos e desmentidos de fake news, parece que a vitória de Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos, de Renée Nader Messora e João Salaviza, no Festival do Rio, e o anúncio da nomeação de Diamantino, de Daniel Schmidt e Gabriel Abrantes, nos European Film Awards, não deixou o espaço mediático curioso.