Estudo: Quase 70% não tem poupanças para a reforma

7% dos inquiridos idosos disseram ainda que não podem comprar os medicamentos prescritos

Quase 70% dos inquiridos num estudo do Observatório da Natalidade e do Envelhecimento em Portugal disseram não ter qualquer tipo de poupança para a reforma.

O estudo envolveu 1.335 pessoas com 35 ou mais anos residentes em Lisboa, Porto, Aveiro, Santarém, Castelo Branco, Bragança, Beja, Setúbal e Portimão, abrangendo as cinco NUTS II de Portugal continental.

Segundo os resultados preliminares do estudo, 68% dos inquiridos disseram não ter qualquer poupança para a reforma, um dado que surpreendeu o coordenador do projeto e professor no Instituto Superior de Economia e Gestão (ISEG), Telmo Vieira.

Já quando questionados sobre se "possui atualmente algum tipo de poupança", mais de metade (54%) das pessoas com mais de 65 anos disseram que não, número que baixa para os 48% nos inquiridos com menos de 65 anos.

Para Telmo Vieira, a percentagem de pessoas que não têm poupanças para a reforma, "aliada às alterações da pirâmide demográfica, é preocupante no que toca às questões relacionadas com a sustentabilidade do sistema de providência social em Portugal".

O responsável aponta outro "dado relevante" do estudo, segundo o qual 7% dos entrevistados reformados não podem comprar os medicamentos prescritos, um número que na sua opinião poderá ser superior, "pois poderá ter havido pessoas que por uma questão de desconforto" podem não ter dado a resposta correta.

Há ainda 9% que disseram não tomar todos os medicamentos prescritos. Já 48% dos respondentes com mais de 65 anos referiram tomar quatro ou mais medicamentos diferentes por dia.

A idade de reforma passou este ano para os 66 anos e três meses, no entanto, segundo o estudo, 32% disserem que gostariam de se reformar aos 63 anos.

"Existe aqui um 'gap' de expectativas que o país terá que acomodar com soluções que permitam até mais tarde a continuidade da participação dos cidadãos mais seniores no mundo do trabalho", sublinha Telmo Vieira.

A investigação, da responsabilidade da PremiValor Consulting, indica ainda que 45% dos entrevistados pretendem continuar a trabalhar a tempo parcial, após a reforma.

Do total dos inquiridos reformados (550), 26% referiram exercer ou ter exercido alguma atividade remunerada após a reforma, refere o estudo, cuja coordenação científica na área do envelhecimento está a cargo de Manuel Carrageta, presidente da Sociedade Portuguesa de Geriatria e Gerontologia e da Fundação Portuguesa de Cardiologia.

À pergunta "presta algum tipo de apoio a pais, filhos, netos, outros familiares ou outros", 59% disseram que não, enquanto 23% dos inquiridos com mais de 65 anos referiram prestar apoio no cuidado dos netos.

Entre os inquiridos reformados, 44% disseram que nunca participam em atividades culturais, 27% disseram que nunca viajam e 51% contaram que fazem passeios ao ar livre diariamente.

Outro resultado do estudo aponta que cerca de 53% dos inquiridos estão "muito preocupados com o envelhecimento da população", e outros 53% estão preocupados com o seu próprio envelhecimento.

Para o estudo, que decorreu em 2015 e cuja base de dados continua a ser trabalhada, foram considerados válidos 1.335 questionários, a que corresponde um erro máximo de 2,68%, tendo por base um intervalo de confiança de 95%.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Bernardo Pires de Lima

Em contagem decrescente

O brexit parece bloqueado após a reunião de Salzburgo. Líderes do processo endureceram posições e revelarem um tom mais próximo da rutura do que de um espírito negocial construtivo. A uma semana da convenção anual do partido conservador, será ​​​​​​​que esta dramatização serve os objetivos de Theresa May? E que fará a primeira-ministra até ao decisivo Conselho Europeu de novembro, caso ultrapasse esta guerrilha dentro do seu partido?

Premium

Catarina Carvalho

O populismo na campanha Marques Vidal

Há uma esperança: não teve efeito na opinião pública a polémica da escolha do novo procurador-geral da República. É, pelo menos, isso que dizem os estudos de opinião - o número dos que achavam que Joana Marques Vidal devia continuar PGR permaneceu inalterável entre o início do ano e estas últimas semanas. Isto retirando o facto, já de si notável, de que haja sondagens sobre este assunto.