Esta quinta-feira foi o pior dia para a empresa de Mark Zuckerberg

Ações do Facebook caíram 19% logo de manhã. Diretor financeiro já alertou os investidores para a mais do que provável quebra nos lucros

Foi um dia negro para a empresa de Mark Zuckerberg. As ações do Facebook caíram 19% logo na abertura da bolsa esta quinta-feira. A empresa tinha alertado os investidores um dia antes sobre o crescimento que se prevê que vá diminuir nos próximos trimestres. Em causa está a nova estratégia que a empresa foi obrigada a adotar depois do escândalo que envolveu as questões de privacidade dos utilizadores da rede social.

A queda retirou 120 mil milhões de valor de mercado ao Facebook, o que configura uma das maiores perdas de uma empresa pública, de acordo com a CNN.

David Wehner, diretor financeiro da empresa, explicou aos investidores que o Facebook está "a colocar a privacidade em primeiro lugar" depois do escândalo Cambridge Analytica ter colocado a empresa numa situação difícil perante a opinião pública.

No entanto, os cuidados com a privacidade irão reverter-se numa queda nos lucros: o Facebook ganha mais dinheiro com o feed de notícias do que com os outros produtos.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Adriano Moreira

O relatório do Conselho de Segurança

A Carta das Nações Unidas estabelece uma distinção entre a força do poder e o poder da palavra, em que o primeiro tem visibilidade na organização e competências do Conselho de Segurança, que toma decisões obrigatórias, e o segundo na Assembleia Geral que sobretudo vota orientações. Tem acontecido, e ganhou visibilidade no ano findo, que o secretário-geral, como mais alto funcionário da ONU e intervenções nas reuniões de todos os Conselhos, é muitas vezes a única voz que exprime o pensamento da organização sobre as questões mundiais, a chamar as atenções dos jovens e organizações internacionais, públicas e privadas, para a necessidade de fortalecer ou impedir a debilidade das intervenções sustentadoras dos objetivos da ONU.