Espanha teme que OPA à EDP seja "porta de entrada" de chineses

Escola de negócios ESADE alega que empresas como China Three Gorges podem ir para setores estratégicos europeus. Oferta tem de ser registada até 1 de junho

"Portugal pode ser a porta de entrada" da China nos setores estratégicos europeus, na sequência da OPA da China Three Gorges (CTG) à EDP. O alerta foi dado ontem por Ivana Casaburi, professora da escola de negócios espanhola Esade, que avaliou as "tendência de investimento chinês na Europa". A CTG tem até 1 de junho para registar a OPA sobre a EDP e a EDP Renováveis junto da CMVM - Comissão do Mercado de Valores Mobiliários.

Ivana Casaburi considerou ser "um risco" para os europeus aceitarem o domínio chinês nestas áreas económicas, até porque Pequim mantém a recusa em abrir estes setores a empresas estrangeiras. Lembrou ainda que França, Alemanha e Itália queriam criar um mecanismo comum que permitisse travar o investimento de fora da União Europeia a este tipo de ativos. Mas Bruxelas apenas vai avaliar o investimento se forem identificados riscos para a ordem pública e segurança.

A especialista reconheceu ainda que o principal argumento para que o governo português já tenha manifestado simpatia pela entrada da CTG é estar convencido de que a EDP irá manter melhor a sua integridade se for dominada por capitais chineses, havendo receio da sua diluição em empresas maiores se for comprada por uma companhia europeia. Lisboa não pode ver esta matéria a curto prazo, mas sim pensar na evolução a longo prazo, acrescenta a professora da Esade, citada pela Lusa.

Portugal foi o segundo país europeu que mais investimento chinês recebeu entre 2010 e 2016, se for ponderada a sua dimensão económica. Com um rácio de 3,66, o país ficou apenas atrás da Finlândia (4,47 vezes).

Em montantes, Portugal foi o sétimo país que mais capitais chineses recebeu, com 6,249 mil milhões de euros; Reino Unido, Alemanha e Itália foram as nações que mais investimento obtiveram da China.

O investimento chinês em Portugal poderá ser reforçado nos próximos meses se a CTG concluir a OPA sobre a EDP e a EDP Renováveis. A oferta está avaliada em 10,26 mil milhões de euros, mas o mercado acredita que os números vão subir mais. A operação tem de ser registada até 1 de junho junto da CMVM, ou seja, 20 dias depois (seguidos) do anúncio preliminar, informou ontem o "polícia" dos mercados.

Os clientes da EDP ainda não tomaram conhecimento da oferta chinesa. O DN/Dinheiro Vivo sabe que a empresa liderada por António Mexia não enviou ainda qualquer comunicação por escrito (carta, e-mail ou sms) sobre a operação aos mais de quatro milhões de clientes em mercado liberalizado nem aos clientes do serviço universal (cerca de um milhão).

Aos trabalhadores, Mexia fez questão de enviar um e-mail poucos dias depois da OPA, recomendando que se mantenham focados no trabalho. Com os diretores de topo da empresa, o líder da elétrica portuguesa fez questão de reunir pessoalmente para falar sobre a oferta.

As ações com a EDP, mesmo com o aviso de Espanha, subiram ontem 0,75%, negociando a 3,476 euros, mais 6,6% do que a contrapartida de 3,26 euros oferecida pela CTG. Com Bárbara Silva

Ler mais

Exclusivos

Premium

Nuno Artur Silva

Notícias da frente da guerra

Passaram cem anos do fim da Primeira Guerra Mundial. Foi a data do Armistício assinado entre os Aliados e o Império Alemão e do cessar-fogo na Frente Ocidental. As hostilidades continuaram ainda em outras regiões. Duas décadas depois, começava a Segunda Guerra Mundial, "um conflito militar global (...) Marcado por um número significativo de ataques contra civis, incluindo o Holocausto e a única vez em que armas nucleares foram utilizadas em combate, foi o conflito mais letal da história da humanidade, resultando entre 50 e mais de 70 milhões de mortes" (Wikipédia).