Espanha é cada vez mais o principal cliente de Portugal

Dados de 2017 indicam que Portugal é o quarto cliente de Espanha e o seu oitavo fornecedor.

Espanha foi em 2017 o principal cliente e fornecedor de Portugal, enquanto Portugal é o quarto cliente de Espanha e o seu oitavo fornecedor, segundo dados do INE e da Agência para o Investimento e Comércio Externo de Portugal (AICEP).

Em 2017, havia 6770 empresas portuguesas a exportar para Espanha, um aumento de 20% relativamente ao ano anterior.

No ano passado, as exportações para Espanha subiram 7,3% para 13 885,9 milhões de euros, e as importações de bens de Madrid avançaram 8,5% para 22 091,0 milhões de euros, o que correspondeu a um saldo da balança comercial para Portugal negativo em mais de oito mil milhões de euros.

Espanha tem desde 07 de junho um novo Governo, liderado Pedro Sánchez (PSOE), na sequência da aprovação da moção de censura contra o Executivo de Mariano Rajoy (PP), colocando o país sob a atenção da restante Europa, uma vez que o novo primeiro-ministro tem o desafio de governar com a escassa minoria que tem no parlamento.

Madrid é o principal cliente e fornecedor de Lisboa, enquanto Portugal é o quarto cliente de Espanha e o seu oitavo fornecedor, segundo dados de 2017 do INE - Instituto Nacional de Estatística e da AICEP.

Já no primeiro trimestre deste ano, as exportações de bens portugueses para Espanha subiram 0,5% no primeiro trimestre deste ano, para 3609,3 milhões de euros, enquanto as importações aumentaram 7,9% para 5668,1 milhões de euros, segundo dados do INE.

Nos primeiros três meses do ano, o saldo da balança comercial era negativo para Lisboa em 2058,8 milhões de euros.

De acordo com dados do INE, os veículos e outro material de transporte, agrícolas, metais comuns, vestuário e plásticos de borracha são os cinco produtos mais exportados para Espanha.

No ano passado, as vendas de veículos e outro material de transporte (com um peso de 11,5% no total das exportações para Espanha) cresceram 11,8%, para 1596,2 milhões de euros, com as agrícolas (10,9%) a progredirem 15%, para 1511,1 milhões de euros.

Já as exportações de metais comuns (10,7%) cresceram 22,6% em 2017, face a igual período do ano anterior, para 1490,8 milhões de euros e as de vestuário (9,7%) diminuíram 0,9%, para 1350,4 milhões de euros.

No que respeita às exportações de serviços, no primeiro trimestre subiram 14,1% para 751,1 milhões de euros, e as importações aumentaram 11,8% para 729,6 milhões de euros, o que representa um saldo da balança comercial positivo para Lisboa de 127,6 milhões de euros.

Exclusivos

Premium

história

A América foi fundada também por angolanos

Faz hoje, 25 de agosto, exatos 400 anos que desembarcaram na América os primeiros negros. Eram angolanos os primeiros 20 africanos a chegar à América - a Jamestown, colónia inglesa acabada se ser fundada no que viria a ser o estado da Virgínia. O jornal The New York Times tem vindo a publicar uma série de peças jornalísticas, inseridas no Project 1619, dedicadas ao legado da escravatura nos Estados Unidos. Os 20 angolanos de Jamestown vinham num navio negreiro espanhol, a caminho das minas de prata do México; o barco foi apresado por piratas ingleses e levados para a nova Jamestown. O destino dos angolanos acabou por ser igual ao de muitos colonos ingleses: primeiro obrigados a trabalhar como contratados e, ao fim de alguns anos, livres e, por vezes, donos de plantações. Passados sete anos, em 1626, chegaram os primeiros 11 negros a Nova Iorque (então, Nova Amesterdão) - também eram angolanos. O Jornal de Angola publicou ontem um longo dossiê sobre estes acontecimentos que, a partir de uma das maiores tragédias da História moderna, a escravatura, acabaram por juntar o destino de dois países, Angola e Estados Unidos, de dois continentes distantes.