Ericsson pode despedir até 14 mil trabalhadores na Europa e América Latina

A empresa sueca confirma que avançará em breve com um plano de redução de custos, mas considera "prematuro" falar em medidas específicas

O grupo de telecomunicações sueco Ericsson, com atividade em Portugal, pode estar perto de despedir até 14 mil trabalhadores na Europa e na América Latina, depois dos maus resultados alcançados no segundo trimestre deste ano.

Esta possibilidade foi avançada pelo jornal sueco Svenska Dagbladet, que cita fontes próximas da administração do grupo, a empresa confirma que avançará em breve com um plano de redução de custos, mas considera "prematuro" falar em medidas específicas.

Contactada pela agência Lusa, fonte da empresa remeteu qualquer esclarecimento para o comentário oficial do grupo, disponível no 'site' e publicado com a data desta quinta-feira, onde a Ericsson diz já ter comunicado que um dos grandes objetivos da empresa era o de reduzir custos e aumentar a eficiência.

"Relacionando [esta estratégia] com os resultados do segundo trimestre, a Ericsson comunicou que o grupo, à luz da conjuntura do mercado, vai acelerar as ações planeadas para assegurar que o objetivo de duplicar a margem de operações durante o ano de 2018 pode ser alcançada", refere.

A Ericsson não comunicou ainda que unidades específicas ou países podem vir a ser afetadas, disse, considerando ainda prematuro "falar sobre medidas específicas ou excluir algum país".

"Quando a Ericsson implementar estes planos para reduzir custos, irá comunicar oportunamente as suas intenções e que trabalhadores poderão vir a ser afetados", indica.

No segundo trimestre a Ericsson perdeu 105 milhões de euros líquidos e a faturação em termos homólogos baixou 8%, penalizada por vendas fracas na Europa e América Latina, onde o grupo conta atualmente com 53.000 trabalhadores, um pouco menos de metade do total.

Segundo o jornal sueco, o diretor executivo Börje Ekholm já terá informado todos os seus planos à administração.

Durante a apresentação das contas do grupo, o responsável já tinha declarado que era necessário poupar pelo menos 10 mil milhões de coroas suecas (cerca de 100 milhões de euros) até meados de 2018.

Em outubro passado, de acordo com a agência Efe, a Ericsson eliminou 3.000 postos de trabalho na Suécia, cerca de um quinto dos trabalhadores naquele país, argumentando que era uma medida necessária para manter a competitividade e a liderança a nível mundial, afetada pelo crescimento de marcas chinesas como a Huawei no setor.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.