Empresas portuguesas vão beneficiar do efeito Trump

Câmara de Comércio e Indústria Luso-Mexicana quer aproveitar o fim do acordo de comércio com os EUA para relançar as relações económicas entre os dois países.

O fim do acordo comercial entre os Estados Unidos e o México anunciado por Donald Trump vai beneficiar empresas portuguesas. Quem o diz é a Câmara de Comércio e Indústria Luso-Mexicana (CCILM), que quer aproveitar o chamado "efeito Trump" para relançar as relações económicas entre os dois países.

Nesta semana, a CCILM fez uma sessão de apresentação da candidatura do projeto conjunto de internacionalização, Portugal Connect 2017-2018, no âmbito do Portugal 2020. Uma iniciativa de preparação da missão empresarial portuguesa ao México em julho (em que já estão inscritas 20 empresas) e outra, em setembro, que vai trazer ao país dezenas de empresas mexicanas.

Em entrevista ao DN/Dinheiro Vivo, Miguel Gomes da Costa, presidente da CCILM, começou por admitir que "as relações Portugal-México ainda têm um longo caminho a percorrer" mas "há um potencial muito grande" tendo em conta "a reorientação" da política externa norte-americana, que vai obrigar as empresas a diversificarem os seus mercados.

"Os mexicanos estão a olhar para a Europa de uma maneira diferente e o grande objetivo é não só continuar a levar empresas portuguesas" àquele país como "trazer empresas mexicanas para conhecerem a nossa realidade, aumentar as relações comerciais ou mesmo promover parcerias" entre os dois lados, afirma Miguel Gomes da Costa, lembrando que "o México já é o segundo mercado na América Latina a seguir ao Brasil".

"Em setembro, queremos trazer empresas de média e grande dimensão a Portugal de setores de atividade como a indústria automóvel e componentes, da indústria transformadora, em geral, e da agroindústria ", revelou o presidente da Câmara de Comércio.

Miguel Gomes da Costa salienta as "grandes potencialidades de intercâmbio" tendo em conta que o México "exporta mais produtos transformados de alta tecnologia do que todo o resto da América Latina".

O presidente da CCILM destaca ainda o setor do turismo, "que é uma área que tem sido muito pouco trabalhada e que tem também um potencial muito grande", e o das infraestruturas, em que o governo mexicano definiu um plano ambicioso que abrange rodovias, portos e aeroportos.

Esta é uma área onde a Mota-Engil "está muito bem implantada no México", afirmou Miguel Gomes da Costa, defendendo que é um setor em que podem "entrar mais empresas portuguesas".

Sócios estratégicos

Numa mensagem apresentada no evento desta semana, o embaixador do México em Portugal, Alfredo Pérez Bravo, foi mais longe ao referir-se aos empresários portugueses como "sócios estratégicos".

"Os investimentos portugueses no México têm crescido de modo significativo, com elevados retornos para Portugal" e "as mudanças no cenário mundial aconselham o México a procurar uma maior diversificação das suas relações económicas, e, nessa estratégia, Portugal, os seus empresários e os seus produtos destacam-se como novos sócios estratégicos", afirmou o embaixador mexicano. Alfredo Pérez Bravo aproveitou a ocasião para convidar os empresários portugueses "a manter a sua confiança e a crescer em conjunto com os seus parceiros mexicanos".

O embaixador português no México, Jorge Roza de Oliveira, também não tem dúvidas de que "o México oferece imensas vantagens para as empresas portuguesas em variadíssimos setores: automóvel, aeroespacial, tecnologias de informação, infraestruturas".

Quem também quer aproveitar o "efeito Trump" é a própria União Europeia. A comissária europeia do Comércio e o ministro da Economia mexicano marcaram já duas rondas negociais para abril e junho com o objetivo de "atualizar" o Acordo de Comércio Livre entre a UE e o México. O fluxo anual de mercadorias entre os dois parceiros mais do que duplicou entre 2005 e 2015, chegando atualmente aos 53 mil milhões de euros.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Isabel Moreira ou Churchill

Numa das muitas histórias que lhe são atribuídas, sem serem necessariamente verdadeiras, em resposta a um jovem deputado que, apontando para a bancada dos Trabalhistas, perguntou se era ali que se sentavam os seus inimigos, Churchill teria dito que não: "Ali sentam-se os nossos adversários, os nossos inimigos sentam-se aqui (do mesmo lado)." Verdadeira ou não, a história tem uma piada e duas lições. Depois de ler o que publicou no Expresso na semana passada, é evidente que a deputada Isabel Moreira não se teria rido de uma, nem percebido as outras duas.