Empresas mundiais vão pagar mais 10% em dividendos

A consultora Markit estima que as cotadas paguem 1,64 biliões de dólares aos acionistas durante 2018, o montante mais elevado desde 2014

As empresas cotadas nas bolsas mundiais deverão abrir os cordões à bolsa este ano. A recuperação da economia global e dos resultados das empresas são os motores que permitirão o crescimento dos dividendos que serão pagos aos acionistas, segundo um estudo da IHS Markit a que o Dinheiro Vivo teve acesso. No total, as 7500 empresas incluídas na análise deverão distribuir 1,64 biliões de dólares (1,35 biliões de euros) em dividendos. É uma subida de 10% face ao ano anterior e 2018 vai ser o mais generoso para os acionistas desde 2014, segundo as estimativas desta consultora.

Leia mais em Dinheiro Vivo a sua marca de economia

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Os irados e o PAN

A TVI fez uma reportagem sobre um grupo de nome IRA, Intervenção e Resgate Animal. Retirados alguns erros na peça, como, por exemplo, tomar por sério um vídeo claramente satírico, mostra-se que estamos perante uma organização de justiceiros. Basta, aliás, ir à página deste grupo - que tem 136 000 seguidores - no Facebook para ter a confirmação inequívoca de que é um grupo de gente que despreza a lei e as instituições democráticas e que decidiu fazer aquilo que acha que é justiça pelas suas próprias mãos.

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Falta (transparência) de financiamento na ciência

No início de 2018 foi apresentado em Portugal um relatório da OCDE sobre Ensino Superior e a Ciência. No diagnóstico feito à situação portuguesa conclui-se que é imperativa a necessidade de reformar e reorganizar a Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT), de aumentar a sua capacidade de gestão estratégica e de afastar o risco de captura de financiamento por áreas ou grupos. Quase um ano depois, relativamente a estas medidas que se impunham, o governo nada fez.