Empresas de transportes vão demorar a eliminar o diesel e o gás

A Transdev, maior transportadora global da Europa, está centrada no esforço de apoiar a descarbonização, disse o seu diretor de estratégia e inovação, Xavier Aymonod.

Mas o responsável da empresa francesa, ao participar num debate no Lisbon Mobi Summit, admitiu que este objetivo tem algumas limitações e um custo elevado. Em causa está uma frota de mais de mil autocarros, dos quais 70% ainda funcionam a diesel, 11% a gás e apenas 5% a eletricidade.

Atendendo a que a rentabilidade da operação requer que os camiões têm de cumprir o seu período de vida útil, a sua substituição antes de decorrido esse período comporta custos muito elevados, observou.

Falando no painel da manhã sobre descarbonização dos transportes, Xavier Aymonod referiu que a empresa tem uma visão ampla que de como deve evoluir.

Assumindo que o seu negócio de todos os dias é apoiar a descarbonização, aquele responsável considera que esse esforço deve ser feito em três eixos. Em primeiro lugar, atraindo mais pessoas para os transportes públicos, aumentando a oferta e melhorando a sua experiência. Em segundo, apostar no transporte "on demand", que flexibiliza o serviço, por exemplo, com serviços de navetes que podem levar as pessoas exatamente onde precisam, através de uma aplicação móvel. E, por último, apostar num mix de modalidades de transporte para ajudar a reduzir a poluição.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Adriano Moreira

O relatório do Conselho de Segurança

A Carta das Nações Unidas estabelece uma distinção entre a força do poder e o poder da palavra, em que o primeiro tem visibilidade na organização e competências do Conselho de Segurança, que toma decisões obrigatórias, e o segundo na Assembleia Geral que sobretudo vota orientações. Tem acontecido, e ganhou visibilidade no ano findo, que o secretário-geral, como mais alto funcionário da ONU e intervenções nas reuniões de todos os Conselhos, é muitas vezes a única voz que exprime o pensamento da organização sobre as questões mundiais, a chamar as atenções dos jovens e organizações internacionais, públicas e privadas, para a necessidade de fortalecer ou impedir a debilidade das intervenções sustentadoras dos objetivos da ONU.