Empresas da bolsa arrancam o ano a lucrar mais 130 milhões

As boas notícias da economia e o efeito positivo nos preços de algumas matérias-primas ajudaram os lucros das empresas cotadas do PSI 20. Galp, BCP e retalhistas foram as que mais impressionaram os analistas

As empresas da bolsa portuguesa arrancaram o ano com o pé no acelerador dos lucros. Nos primeiros três meses, ganharam ao todo 765 milhões de euros. Foram mais 130 milhões (uma subida de cerca de 20%) do que no mesmo período do ano anterior. A retoma da economia e a subida dos preços de algumas matérias-primas explicam os bons resultados.

"As empresas com exposição ao mercado nacional beneficiam da aceleração da economia", explica a equipa de research do BiG. Os especialistas do banco sublinham ainda que a recuperação do preço do petróleo teve efeito positivo na Galp. A empresa anunciou lucros de 135 milhões, mais 75%. Foram mais 58 milhões. O ouro negro valoriza quase 20% este ano.

O aumento dos preços das matérias-primas beneficiou também outras empresas cotadas. Albino Oliveira, analista da Patris Investimentos, destaca as empresas da indústria do papel. A Altri quase duplicou o lucro, somando 32 milhões de euros. E a Navigator aumentou o resultado em quase 50%, para mais de 53 milhões. O retalho também esteve em alta ajudada pela retoma do consumo. A Jerónimo Martins revelou lucros de 85 milhões, mais 9%; e a Sonae melhorou para 20 milhões de euros, um salto de 150%. Albino Oliveira explica ao DN/Dinheiro Vivo que as empresas de retalho beneficiaram com "o efeito de calendário favorável da Páscoa". Este ano foi no primeiro trimestre; em 2017 tinha sido apenas no segundo.

Ainda assim, a equipa de research do BiG salienta que Jerónimo Martins e Sonae "apresentaram crescimento homólogo nas várias métricas operacionais relevantes, superando igualmente as estimativas médias dos analistas".

Entre os destaques positivos salientados pelos analistas na bolsa portuguesa estão ainda o BCP e a NOS. No caso do banco, o único presente no índice de referência da bolsa nacional, o lucro aumentou mais de 70%, totalizando 85 milhões. E está já entre as cotadas com maiores lucros do PSI 20, atrás das gigantes da energia.

Os números do BCP "revelaram uma robusta continuação das importantes melhorias operacionais, sugerindo que continua no bom caminho para aumentar a sua rentabilidade", considera a equipa de research do BiG.

No caso da NOS a subida do lucro até nem foi de grande dimensão. O resultado líquido aumentou apenas 3% para 33,8 milhões. Mas foi o suficiente para convencer os analistas. "Quando confrontado com uma evolução modesta das receitas, o grupo conseguiu melhorar as margens via um controlo dos custos", explica Albino Oliveira.

Mas nem tudo foram boas notícias. O lucro dos CTT caiu quase para metade, uma tendência que reflete uma preocupante quebra no negócio postal. E até a EDP, a empresa com o maior lucro da bolsa, teve uma quebra de mais de 20% nos resultados, para 166 milhões de euros. A empresa explicou a quebra com efeitos não recorrentes e alterações regulatórias.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

"Orrrderrr!", começou a campanha europeia

Através do YouTube, faz grande sucesso entre nós um florilégio de gritos de John Bercow - vocês sabem, o speaker do Parlamento britânico. O grito dele é só um, em crescendo, "order, orrderr, ORRRDERRR!", e essa palavra quer dizer o que parece. Aquele "ordem!" proclamada pelo presidente da Câmara dos Comuns demonstra a falta de autoridade de toda a gente vulgar que hoje se senta no Parlamento que iniciou a democracia na velha Europa. Ora, se o grito de Bercow diz muito mais do que parece, o nosso interesse por ele, através do YouTube, diz mais de nós do que de Bercow. E, acreditem, tudo isto tem que ver com a nossa vida, até com a vidinha, e com o mundo em que vivemos.

Premium

Marisa Matias

Mulheres

Nesta semana, um país inteiro juntou-se solidariamente às mulheres andaluzas. Falo do nosso país vizinho, como é óbvio. A chegada ao poder do partido Vox foi a legitimação de um discurso e de uma postura sexistas que julgávamos já eliminadas aqui por estes lados. Pois não é assim. Se durante algumas décadas assistimos ao reforço dos direitos das mulheres, nos últimos anos, a ascensão de forças políticas conservadoras e sexistas mostrou o quão rápida pode ser a destruição de direitos que levaram anos a construir. Na Hungria, as autoridades acham que o lugar da mulher é em casa, na Polónia não podem vestir de preto para não serem confundidas com gente que acha que tem direitos, em Espanha passaram a categoria de segunda na Andaluzia. Os exemplos podiam ser mais extensos, os tempos que vivemos são estes. Mas há sempre quem não desista, e onde se escreve retrocesso nas instituições, soma-se resistência nas ruas.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Ser ou não ser, eis a questão

De facto, desde o famoso "to be, or not to be" de Shakespeare que não se assistia a tão intenso dilema britânico. A confirmação do desacordo do Brexit e o chumbo da moção de censura a May agudizaram a imprevisibilidade do modo como o Reino Unido acordará desse mesmo desacordo. Uma das causas do Brexit terá sido certamente a corrente nacionalista, de base populista, com a qual a Europa em geral se debate. Mas não é a única causa. Como deverá a restante Europa reagir? Em primeiro lugar, com calma e serenidade. Em seguida, com muita atenção, pois invariavelmente o único ganho do erro resulta do que aprendemos com o mesmo. Imperativo é também que aprendamos a aprender em conjunto.