Empresas da bolsa arrancam o ano a lucrar mais 130 milhões

As boas notícias da economia e o efeito positivo nos preços de algumas matérias-primas ajudaram os lucros das empresas cotadas do PSI 20. Galp, BCP e retalhistas foram as que mais impressionaram os analistas

As empresas da bolsa portuguesa arrancaram o ano com o pé no acelerador dos lucros. Nos primeiros três meses, ganharam ao todo 765 milhões de euros. Foram mais 130 milhões (uma subida de cerca de 20%) do que no mesmo período do ano anterior. A retoma da economia e a subida dos preços de algumas matérias-primas explicam os bons resultados.

"As empresas com exposição ao mercado nacional beneficiam da aceleração da economia", explica a equipa de research do BiG. Os especialistas do banco sublinham ainda que a recuperação do preço do petróleo teve efeito positivo na Galp. A empresa anunciou lucros de 135 milhões, mais 75%. Foram mais 58 milhões. O ouro negro valoriza quase 20% este ano.

O aumento dos preços das matérias-primas beneficiou também outras empresas cotadas. Albino Oliveira, analista da Patris Investimentos, destaca as empresas da indústria do papel. A Altri quase duplicou o lucro, somando 32 milhões de euros. E a Navigator aumentou o resultado em quase 50%, para mais de 53 milhões. O retalho também esteve em alta ajudada pela retoma do consumo. A Jerónimo Martins revelou lucros de 85 milhões, mais 9%; e a Sonae melhorou para 20 milhões de euros, um salto de 150%. Albino Oliveira explica ao DN/Dinheiro Vivo que as empresas de retalho beneficiaram com "o efeito de calendário favorável da Páscoa". Este ano foi no primeiro trimestre; em 2017 tinha sido apenas no segundo.

Ainda assim, a equipa de research do BiG salienta que Jerónimo Martins e Sonae "apresentaram crescimento homólogo nas várias métricas operacionais relevantes, superando igualmente as estimativas médias dos analistas".

Entre os destaques positivos salientados pelos analistas na bolsa portuguesa estão ainda o BCP e a NOS. No caso do banco, o único presente no índice de referência da bolsa nacional, o lucro aumentou mais de 70%, totalizando 85 milhões. E está já entre as cotadas com maiores lucros do PSI 20, atrás das gigantes da energia.

Os números do BCP "revelaram uma robusta continuação das importantes melhorias operacionais, sugerindo que continua no bom caminho para aumentar a sua rentabilidade", considera a equipa de research do BiG.

No caso da NOS a subida do lucro até nem foi de grande dimensão. O resultado líquido aumentou apenas 3% para 33,8 milhões. Mas foi o suficiente para convencer os analistas. "Quando confrontado com uma evolução modesta das receitas, o grupo conseguiu melhorar as margens via um controlo dos custos", explica Albino Oliveira.

Mas nem tudo foram boas notícias. O lucro dos CTT caiu quase para metade, uma tendência que reflete uma preocupante quebra no negócio postal. E até a EDP, a empresa com o maior lucro da bolsa, teve uma quebra de mais de 20% nos resultados, para 166 milhões de euros. A empresa explicou a quebra com efeitos não recorrentes e alterações regulatórias.

Ler mais

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Alemanha

Lar de Dresden combate demência ao estilo Adeus, Lenin!

Uma moto, numa sala de cinema, num lar de idosos, ajudou a projetar memórias esquecidas. O AlexA, na cidade de Dresden, no leste da Alemanha, tem duas salas dedicadas às recordações da RDA. Dos móveis aos produtos de supermercado, tudo recuperado de uma Alemanha que deixou de existir com a queda do Muro de Berlim. Uma viagem no tempo para ajudar os pacientes com demências.

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

A direita definida pela esquerda

Foi a esquerda que definiu a direita portuguesa, que lhe identificou uma linhagem, lhe desenhou uma cosmologia. Fê-lo com precisão, estabelecendo que à direita estariam os que não encaram os mais pobres como prioridade, os que descendem do lado dos exploradores, dos patrões. Já perdi a conta ao número de pessoas que, por genuína adesão ao princípio ou por mero complexo social ou de classe, se diz de esquerda por estar ao lado dos mais vulneráveis. A direita, presumimos dessa asserção, está contra eles.