Solvay dispensa 500 funcionários, 90 em Portugal

O grupo Solvay está presente há 80 anos em Portugal e emprega cerca de 400 trabalhadores

A empresa de produtos químicos e farmacêuticos belga Solvay anunciou hoje que vai dispensar 500 funcionários, 90 dos quais em Portugal e 160 em França, anunciou hoje o grupo em comunicado.

Na nota, a empresa adianta que em França vão também ser transferidos 500 funcionários da região de Paris para Lyon, leste do país, e para Bruxelas.

"A reorganização da empresa deve resultar numa redução de 600 funcionários, principalmente em funções de suporte, incluindo 160 em França, 90 em Portugal e 80 no Brasil", indicou o grupo, sublinhando que muitas das saídas serão rescisões voluntárias.

A Solvay planeia mudar as suas instalações de Aubervilliers (perto de Paris) e de Paris para Lyon e Bruxelas, "para concentrar a pesquisa e inovação nesses dois centros". Essa concentração envolveria a transferência para Lyon e Bruxelas de 500 funcionários, nos próximos quatro anos.

A Solvay, o único grupo belga que pertence ao CAC 40, o índice das 40 maiores capitalizações do mercado de ações em Paris, pretende transformar o seu maior centro de pesquisa, sediado em Lyon, num "um centro avançado de química de classe mundial".

Em Bruxelas, a sede do grupo, "a Solvay pretende expandir suas capacidades de pesquisa e inovação em ciência avançada de materiais como parte de um projeto para renovar completamente sua sede".

De acordo com o 'site' da empresa, o grupo Solvay está presente há 80 anos em Portugal e emprega cerca de 400 colaboradores, em dois centros de trabalho, um na Póvoa de Santa Iria, concelho de Vila Franca de Xira, e em Carnaxide, concelho de Oeiras.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.