Emigrantes tiraram 200 milhões do banco nos meses de verão

As baixas taxas de juro oferecidas e a forte concorrência dos produtos de poupança do Estado
levaram a uma quebra do valor dos depósitos

As remessas de emigrantes para Portugal têm dado sinais positivos. Mas o valor dos depósitos tem encolhido. Entre final de junho e setembro deste ano, o montante de depósitos de emigrantes baixou 199 milhões de euros, segundo dados atualizados pelo Banco de Portugal esta semana. No total, os emigrantes têm 6,92 mil milhões de euros aplicados nestes produtos, o valor mais baixo desde final de 2014. A saída de depósitos é explicada pelos juros baixos destas aplicações e pela concorrência dos produtos de poupança do Estado.

"Não tem havido preferência por depósitos porque a remuneração começou a ser baixa, retirando incentivos para fazer estas aplicações", considera o economista da IMF, Filipe Garcia. No final de setembro, a taxa média para novos depósitos era de 0,25%. Na zona euro, a média é de 0,37% em depósitos até um ano, por exemplo, segundo dados do BCE. As aplicações a mais de dois anos pagam 0,73%.

Além dos juros baixos, os depósitos ressentiram-se também com a concorrência dos produtos do Estado. Em julho, o Tesouro lançou uma obrigação do Tesouro de rendimento variável (OTRV) que angariou 1,2 mil milhões de euros e atraiu quase 70 mil investidores. Pagava um juro de 1,60%. Além destes títulos também os certificados do Tesouro têm taxas mais elevadas do que os depósitos. "Há uma preferência por produtos de poupança do Estado", diz Filipe Garcia. Já em 2016 se tinha assistido a uma saída de depósitos por parte de emigrantes no verão, altura em que o Tesouro tinha também lançado uma OTRV.

Apesar da tendência de saída de depósitos de emigrantes, as remessas apresentam valores positivos. Esta semana, o Eurostat revelou que as remessas de emigrantes portugueses foram as maiores da União Europeia em 2016, situando-se em 3,34 mil milhões de euros. Mas nem assim o valor dos depósitos de emigrantes aumentou, tendo tido uma queda de mais de 50 milhões de euros no ano passado.

O economista do Montepio, Rui Serra, explica que "parte das remessas poderá ter sido utilizada na aquisição de bens e serviços em Portugal, ficando apenas num curto espaço de tempo em depósitos". E considera que "no quadro das baixas taxas de juro dos depósitos bancários (em resultado dos mínimos históricos das taxas de juro do BCE), é provável que possam ter sido direcionadas para outros ativos".

Além dos produtos de poupança do Estado, o imobiliário é outro dos setores apontados como destino do dinheiro dos emigrantes, referem Filipe Garcia e Rui Serra. O economista do Montepio explica que "as subidas dos preços das casas e das transações refletem uma melhoria geral da procura, que poderá ser também de emigrantes" portugueses. Outra das apostas dos emigrantes pode passar, segundo Rui Serra, pelo investimento em ações e obrigações de empresas portuguesas, já que, lembra, "a melhoria das perspetivas para a economia portuguesa também concorre para uma maior alocação em ativos com risco".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

"Orrrderrr!", começou a campanha europeia

Através do YouTube, faz grande sucesso entre nós um florilégio de gritos de John Bercow - vocês sabem, o speaker do Parlamento britânico. O grito dele é só um, em crescendo, "order, orrderr, ORRRDERRR!", e essa palavra quer dizer o que parece. Aquele "ordem!" proclamada pelo presidente da Câmara dos Comuns demonstra a falta de autoridade de toda a gente vulgar que hoje se senta no Parlamento que iniciou a democracia na velha Europa. Ora, se o grito de Bercow diz muito mais do que parece, o nosso interesse por ele, através do YouTube, diz mais de nós do que de Bercow. E, acreditem, tudo isto tem que ver com a nossa vida, até com a vidinha, e com o mundo em que vivemos.

Premium

Marisa Matias

Mulheres

Nesta semana, um país inteiro juntou-se solidariamente às mulheres andaluzas. Falo do nosso país vizinho, como é óbvio. A chegada ao poder do partido Vox foi a legitimação de um discurso e de uma postura sexistas que julgávamos já eliminadas aqui por estes lados. Pois não é assim. Se durante algumas décadas assistimos ao reforço dos direitos das mulheres, nos últimos anos, a ascensão de forças políticas conservadoras e sexistas mostrou o quão rápida pode ser a destruição de direitos que levaram anos a construir. Na Hungria, as autoridades acham que o lugar da mulher é em casa, na Polónia não podem vestir de preto para não serem confundidas com gente que acha que tem direitos, em Espanha passaram a categoria de segunda na Andaluzia. Os exemplos podiam ser mais extensos, os tempos que vivemos são estes. Mas há sempre quem não desista, e onde se escreve retrocesso nas instituições, soma-se resistência nas ruas.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Ser ou não ser, eis a questão

De facto, desde o famoso "to be, or not to be" de Shakespeare que não se assistia a tão intenso dilema britânico. A confirmação do desacordo do Brexit e o chumbo da moção de censura a May agudizaram a imprevisibilidade do modo como o Reino Unido acordará desse mesmo desacordo. Uma das causas do Brexit terá sido certamente a corrente nacionalista, de base populista, com a qual a Europa em geral se debate. Mas não é a única causa. Como deverá a restante Europa reagir? Em primeiro lugar, com calma e serenidade. Em seguida, com muita atenção, pois invariavelmente o único ganho do erro resulta do que aprendemos com o mesmo. Imperativo é também que aprendamos a aprender em conjunto.