Em 2030, 1% da população será dona de dois terços de toda a riqueza do mundo

Com as desigualdades a acentuar-se e uma cada vez mais gorda fatia da riqueza a ser gerada sem produção de bens, o cenário é cada vez mais negro. E deverá arrastar uma contestação dramática

Não passaram ainda três anos desde que o Crédit Suisse divulgou o seu relatório sobre a riqueza mundial indicando que os 1% mais ricos do mundo eram donos de tanto quanto os outros 99%. Ou seja, tendo por base 4800 milhões de adultos de mais de 200 países, concluía aquela reduzida fatia de super e ultra-ricos (respetivamente, os que acumulam fortunas superiores a 45 mil milhões e 450 mil milhões de euros) tinham tanta riqueza quanto todas as outras pessoas do mundo juntas. A recuperação dos mercados financeiros, com as principais bolsas mundiais a crescer rapidamente, ajudara até a aumentar o número de ultra-ricos, cerca de 75 mil pessoas cujas fortunas estão sobretudo sediadas nos Estados Unidos, na China e no Reino Unido.

De 2015 para cá, o fosso tem vindo a aprofundar-se e um novo estudo promovido pelo parlamento britânico, citado pelo The Guardian, aponta agora para um futuro próximo em que as desigualdades estão mais acentuadas do que nunca: os 1% mais ricos do mundo serão donos de dois terços de toda a riqueza, sobrando um terço para dividir pelos restantes 99%.

A manter-se a tendência que se tem verificado desde 2008, a riqueza daquele 1% continuará a crescer a um ritmo de 6% ao ano, o dobro da velocidade do crescimento da riqueza dos restantes 99%, até dominarem uma fortuna total de 250 biliões de euros (hoje são 115 biliões). Riqueza que maioritariamente não depende da produção de bens - ao contráro do que acontecia na era industrial - mas antes de rendimentos desmaterializados decorrentes de juros, rendas, dividendos, etc.

Ler mais

Exclusivos

Premium

educação

O que há de fascinante na Matemática que os fez segui-la

Para Henrique e Rafael, os números chegaram antes das letras e, por isso, decidiram que era Matemática que seguiriam na universidade, como alunos do Instituto Superior Técnico de Lisboa. No dia em que milhares de alunos realizam o exame de Matemática A, estes jovens mostram como uma área com tão fracos resultados escolares pode, afinal, ser entusiasmante.