Eleita a melhor freguesia da Grande Lisboa para se viver

O Parque das Nações foi considerada a melhor freguesia para se viver entre os 9 concelhos da Grande Lisboa, pela segurança e pelo bons acessos.

A freguesia do Parque das Nações foi eleita a melhor freguesia de todos os concelhos da Grande Lisboa. Segundo um estudo do Imovirtual, onde foram avaliadas 67 freguesias entre abril e setembro, esta parece ser a melhor para se viver, por ter sido considerada a mais segura e com melhores acessos. As piores freguesias parecem ter poucos espaços de lazer, de saúde e fracas condições de limpeza.

Ericeira, no concelho de Mafra, é a segunda melhor freguesia para se viver, devido à segurança e à qualidade do ar. Mafra surge em terceiro lugar, seguindo-se Porto Salvo, Moscavide e Portela, São João das Lampas e Terrugem, Alvalade, Oeiras e São Julião da Barra, Paço de Arcos e Caxias, Cascais e Estoril, e em último lugar a freguesia do Areeiro, no concelho de Lisboa.

Por outro lado, no final da tabela reúne-se também o ranking das piores freguesias para se viver. As piores concentram-se nos concelhos de Amadora e Sintra, e são elas a Encosta do Sol, Mina de Água, Alhandra, São João dos Montes e Calhandriz, Rio de Mouro, Santa Clara, Agualva e Mira-Sintra, Falagueira-Venda Nova, Pontinha e Famões, Camarate, Unhos e Apelação e, por último, a freguesia de Cacém e São Marcos.

Agualva e Mira Sintra, no concelho de Sintra, foi considerada a freguesia menos segura. Já no concelho de Lisboa, a freguesia de Santa Maria Maior é a pior em termos de estacionamento e a freguesia da Misericórdia foi a que teve pior classificação relativamente à qualidade do ar.

Para classificar as freguesias dos concelhos da Grande Lisboa foram avaliados fatores como a segurança, acessibilidade, acesso a lojas e restauração, qualidade do ar, e facilidade de estacionamento.

Artigo publicado primeiro no Dinhieiro Vivo

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

Legalização da canábis, um debate sóbrio 

O debate público em Portugal sobre a legalização da canábis é frequentemente tratado com displicência. Uns arrumam rapidamente o assunto como irrelevante; outros acusam os proponentes de usarem o tema como mera bandeira política. Tais atitudes fazem pouco sentido, por dois motivos. Primeiro, a discussão sobre o enquadramento legal da canábis está hoje em curso em vários pontos do mundo, não faltando bons motivos para tal. Segundo, Portugal tem bons motivos e está em boas condições para fazer esse caminho. Resta saber se há vontade.

Premium

nuno camarneiro

É Natal, é Natal

A criança puxa a mãe pela manga na direcção do corredor dos brinquedos. - Olha, mamã! Anda por aqui, anda! A mãe resiste. - Primeiro vamos ao pão, depois logo se vê... - Mas, oh, mamã! A senhora veste roupas cansadas e sapatos com gelhas e calos, as mãos são de empregada de limpeza ou operária, o rosto é um retrato de tristeza. Olho para o cesto das compras e vejo latas de atum, um quilo de arroz e dois pacotes de leite, tudo de marca branca. A menina deixa-se levar contrariada, os olhos fixados nas cores e nos brilhos que se afastam. - Depois vamos, não vamos, mamã? - Depois logo se vê, filhinha, depois logo se vê...