EFACEC vai patrocinar equipa de Fórmula E

Anúncio será efeito na próxima quinta-feira, no arranque do evento Lisbon Mobi Summit.

Ao mesmo tempo que continua a apostar numa solução de carga mais rápida para os veículos elétricos, a Efacec acelera noutra pista. Vai patrocinar uma equipa de Fórmula E. O anúncio oficial é feito depois de amanhã no arranque da Lisbon Mobi Summit.

Líder mundial nos carregadores rápidos para veículos elétricos, a Efacec está a entrar numa nova corrida de velocidade e inovação. Vai ser patrocinadora oficial de uma equipa de Fórmula E e levar a sua marca aos cinco cantos do mundo, disse o CEO Ângelo Ramalho, em entrevista ao DN/JN. A equipa escolhida é a Techeetah, que fez recentemente uma parceria com a DS Automobiles para a quinta temporada desta modalidade, que utiliza veículos totalmente elétricos em circuitos citadinos e que tem atraído o interesse de celebridades um pouco por todo o mundo. Dos pilotos exige uma dupla perícia: a condução e a gestão eficiente da carga.

O anúncio oficial será feito esta quinta-feira no arranque da Lisbon Mobi Summit, mas Ângelo Ramalho explica a opção pela "projeção e posicionamento da marca, a possibilidade de desenvolver novos negócios e por ser uma plataforma de desenvolvimento e aplicação de tecnologias para além da mobilidade elétrica".

Este passo na estratégia comercial da empresa acontece numa altura em que a Efacec já está a dar passos para ir além da velocidade máxima de carga para os veículos elétricos que conseguiu até hoje: um carregamento para uma viagem de 400 KM em 15 minutos. "O objetivo é reduzir esse tempo", disse, sem querer adiantar ainda mais pormenores.

Com vendas para mais de 30 países, a empresa tem estado na linha da frente dos grandes projetos de carga ultrarrápida na Europa e nos EUA, dos poucos que já apresentam integração de baterias nos carregadores. Um exemplo é o projeto Eletrify America, onde foi uma das empresas escolhidas para integrar o consórcio responsável pela construção de um corredor elétrico gigante, num investimento da ordem dos dois mil milhões de euros.

A internacionalização arrancou em 2011 com os projetos internacionais. "Inglaterra, Turquia, Estados Unidos, Brasil, Holanda foram os primeiros países para onde exportámos e estabeleceu-se uma operação nos Estados Unidos. Desde aí temos expandido, alavancando com parcerias locais e com grandes atores transnacionais do setor, tais como Siemens, Garo, Innogy, Allego, Electric Mobility Brasil, Ms.eMobi, Planet Solar ou Renovatio". A Europa e as Américas representam 90% do mercado, com destaque para os países com grande peso da mobilidade elétrica, como a Alemanha, a Noruega, a Suécia ou a Holanda. A expansão será na Ásia e América Latina.

Em parceria com a EDP também está presente na ampliação da rede de postos de carregamento em Espanha, em particular nas Astúrias, que chegará em breve aos 52, ou associada a projetos noutras cidades europeias.

Antecipar soluções tem valido à empresa da Maia algumas distinções como prémios e certificações relevantes, sendo um dos poucos operadores que estão na wireless. Apesar de Portugal representar cerca de 5% do seu volume de negócios em mobilidade elétrica, a empresa é líder de mercado. Fez 100% da rede piloto mobi.e e ganhou a maioria de todos os outros projetos até agora. Alguns exemplos são a rede de carga rápida da Galp, a sede da EDP em Lisboa, Eletricidade da Madeira, projetos das marcas de automóveis, vários municípios, grandes empresas, e ainda a rede do Grupo Águas de Portugal.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Bernardo Pires de Lima

Em contagem decrescente

O brexit parece bloqueado após a reunião de Salzburgo. Líderes do processo endureceram posições e revelarem um tom mais próximo da rutura do que de um espírito negocial construtivo. A uma semana da convenção anual do partido conservador, será ​​​​​​​que esta dramatização serve os objetivos de Theresa May? E que fará a primeira-ministra até ao decisivo Conselho Europeu de novembro, caso ultrapasse esta guerrilha dentro do seu partido?

Premium

Catarina Carvalho

O populismo na campanha Marques Vidal

Há uma esperança: não teve efeito na opinião pública a polémica da escolha do novo procurador-geral da República. É, pelo menos, isso que dizem os estudos de opinião - o número dos que achavam que Joana Marques Vidal devia continuar PGR permaneceu inalterável entre o início do ano e estas últimas semanas. Isto retirando o facto, já de si notável, de que haja sondagens sobre este assunto.