Efacec pode perder até um quarto dos trabalhadores em Portugal

Ângelo Ramalho considera que este pedido de reestruturação "é uma espécie de 'guarda-chuva'" legal, que pode ou não ser utilizado

A Efacec poderá perder até um quarto dos seus trabalhadores em Portugal nos próximos anos. O grupo liderado por Ângelo Ramalho pediu ao Governo, em janeiro de 2017, o estatuto de "empresas em reestruturação" para as unidades Efacec Energia e Efacec Engenharia e Sistemas. Esta situação pode implicar a dispensa de até 409 pessoas de um total de cerca de duas mil que estão empregadas em Portugal.

Leia mais em Dinheiro Vivo a sua marca de economia

Ler mais

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.