EDP abriu 25 vagas para estágios remunerados

As candidaturas ao terceiro programa de trainees da EDP, que começa em outubro, já abriram, desta vez em parceria com a Ray Human Capital. Os interessados podem concorrer até 15 de maio.

Adquirir conhecimentos específicos sobre o sector da energia e desenvolver competências pessoais e profissionais são objetivos que os candidatos selecionados para o programa da empresa liderada por António Mexia poderão atingir. São quase dois anos em que os trainees passarão por três áreas de negócio diferentes da atividade da elétrica, onde poderão aprender e ganhar experiência, guiados por mentores e tutores.

O objetivo do EDP Trainee Program, que arranca agora com a terceira edição, é captar jovens recém-formados com potencial, "capazes de acrescentar valor ao negócio", explica a empresa, que se posiciona como "employer first choice no mercado português". Além de garantir que capta alguns dos melhores, a empresa oferece uma oportunidade única de entrada no grupo, assegurando aos candidatos selecionados uma experiência única.

Leia aqui as impressões de quem já experimentou o programa

O estágio, que oferece "uma remuneração compatível com as melhores práticas de mercado", esclarece a EDP na página do trainees, tem a duração de 23 meses, cumprindo-se a fase de onboarding entre outubro e dezembro e cada um dos três ciclos nos três semestres seguintes, concluindo-se em agosto de 2018. "Para criar uma dinâmica de feedback em tempo real e de aprendizagem e melhoria contínua, os trainees são acompanhados por profissionais experientes ao longo do programa: tutores responsáveis por acompanhar, orientar e avaliar os trainees na área de negócio; e mentores responsáveis por acompanhar, apoiar e encorajar o desenvolvimento dos trainees durante todo o programa."

os trainees são acompanhados por profissionais experientes ao longo do programa

Desta vez, a EDP terá ao seu lado a Ray Human Capital como parceira oficial do programa de trainees, cujo processo de recrutamento será constituído por diversas fases, nas quais os candidatos podem tomar contacto com as ferramentas de avaliação e seleção mais inovadoras no mercado.

Com mais de 20 anos de experiência e presença em vários países, a Ray Human Capital é líder na área de consultoria e serviços em capital human e tem estabelecido parcerias com as melhores empresas de cada setor.

O que é valorizado neste desafio lançado pela EDP e pela Ray Human? Além do mestrado (finalistas ou concluído no máximo há 2 anos) nas áreas de Engenharia, Gestão, Economia, Ciências Exatas e Ciências Sociais, pede-se disponibilidade full-time a partir de outubro, fluência no inglês, disponibilidade para mobilidade nacional e internacional. A experiência internacional também é valorizada.

Ler mais

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.