easyJet acusa ANA de "cavalgar onda" do turismo e prejudicar competitividade com taxas

A transportadora aérea easyJet acusou a ANA - Aeroportos de Portugal de "cavalgar a onda" do turismo e prejudicar a competitividade do país com o aumento das taxas mediante a subida do tráfego

"A política da ANA é cavalgar a onda de Portugal estar na moda, mas achamos que é um pouco matar as galinhas dos ovos de ouro, estamos pouco a pouco a deixar de ser competitivos e se calhar vamos perder oportunidades em comparação com outros mercados", afirmou o diretor da easyJet em Portugal, José Lopes.

Falando aos jornalistas à margem da feira de aviação Farnborough Airshow, no Reino Unido, o responsável ressalvou que, apesar da subida das taxas se dever a mais passageiros, "o crescimento do tráfego em Portugal está a ser criado exclusivamente pelas companhias de aviação".

Em causa estão está o ajustamento tarifário para os meses de novembro e dezembro de 2018 nos aeroportos de Lisboa e Porto, apresentado este mês pela ANA.

Numa nota publicada no seu 'site', a gestora aeroportuária informa que, "tendo em consideração o desvio relativo à estimativa de tráfego inicial, por via de um crescimento mais acentuado do número de passageiros do que o previsto, a ANA irá proceder a um ajustamento tarifário nos aeroportos de Lisboa e Porto, de 1,63% e 1,01%, respetivamente", nestes meses, estando em análise o ajustamento a ser feito em 2019.

"Sempre dissemos que [as taxas] são negativas para o crescimento do tráfego porque faz com que Portugal seja menos competitivo", vincou José Lopes. O diretor da companhia no país exemplificou que, "em comparação com Espanha, Espanha está sempre a ganhar".

"Se depois nós não temos outros fatores como as taxas aeroportuárias ou os custos de handling [serviços de apoio] a compensar, Portugal fica sempre pior na análise de abertura de uma rota nova", exemplificou.

Aludindo aos resultados do trimestre terminado em junho em Portugal, José Lopes escusou-se a avançar números, mas realçou a "reação muito forte da parte da procura" para rotas portuguesas neste período, o que possibilitou "crescer em passageiros e em receita" em "números muito bons".

Questionado sobre apostas nos aeroportos portugueses, o responsável falou num "crescimento de forma transversal" em todos à exceção do da capital portuguesa. "Lisboa vai ficando um pouco para trás e este verão, que está a decorrer, o nosso crescimento será zero por falta de capacidade", observou José Lopes, referindo que a criação de um aeroporto complementar no Montijo "é mais lá para frente" e até lá é necessário "encontrar soluções".

Por isso, "esperamos que em Lisboa se possa avançar rapidamente com soluções para, pelo menos daqui a dois anos - que não acreditamos que antes seja possível -, se possa crescer na Portela", acrescentou.

A seu ver, podem estar em causa medidas como o fecho da pista transversal (cujo grupo de trabalho criado pelo Ministério das Infraestruturas não reúne desde dezembro) e a extensão do horário no aeroporto Humberto Delgado, que poderiam ser "implementadas o mais rapidamente possível" se existisse "bom senso" das autoridades como o Governo e a Câmara de Lisboa.

Da parte da ANA, o responsável apontou investimentos como "mais 'stands' para crescimento de aviões para que todas as companhias de aviação possam crescer no terminal, com melhor qualidade, a extensão das taxiway [pista do aeródromo] e mais saídas rápidas para os aviões mais lentos não ocuparem tanto tempo de pista".

"Acho que na indústria estamos todos de acordo, aquilo que falta é alguém tomar as rédeas e decidir. É tudo muito lento e custa um pouco ver que as decisões afetam o mercado", adiantou.

A britânica easyJet opera para mais de 154 aeroportos em 33 países. Em Portugal, serve os aeroportos de Faro, Lisboa e Porto e o do Funchal, na Madeira.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.