"BCE é independente" e Alemanha não manipula o euro

Presidente do Banco Central Europeu afirmou que o euro "é irrevogável" e "que está para ficar"

O presidente do Banco Central Europeu (BCE), Mario Draghi, disse hoje que a entidade monetária é independente e que a Alemanha não manipula a taxa de câmbio do euro, como tinha acusado um conselheiro da Casa Branca.

No final de janeiro, Peter Navarro, conselheiro comercial da nova administração norte-americana liderada por Donald Trump, acusou a Alemanha de "explorar" os principais parceiros comerciais, incluindo os Estados Unidos, "com um euro subavaliado", fazendo com que os seus produtos sejam artificialmente mais competitivos.

Em conferência de imprensa, Draghi disse hoje que a "Alemanha não merece ser atacada desta forma, a divisa da Alemanha é o euro e a política monetária é dirigida pelo BCE e o BCE é independente".

Draghi afirmou ainda que o euro "é irrevogável" e "que está para ficar".

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

Diário de Notícias

A ditadura em Espanha

A manchete deste dia 19 de setembro de 1923 fazia-se de notícias do país vizinho: a ditadura em Espanha. "Primo de Rivera propõe-se governar três meses", noticiava o DN, acrescentando que, "findo esse prazo, verá se a opinião pública o anima a organizar ministério constitucional". Explicava este jornal então que "o partido conservador condena o movimento e protesta contra as acusações que lhe são feitas pelo ditador".