Recusa voltar ao acordo de comércio livre do Pacífico

"Eu não gosto deste acordo para os EUA. Demasiadas contingências", escreveu Donald Trump, na rede social Twitter

O Presidente dos Estados Unidos reiterou, na terça-feira, que o Acordo de Comércio Livre do Pacífico (TPP) continua a apresentar riscos e que os "acordos bilaterais são melhores para o país".

A mensagem de Donald Trump foi divulgada horas após a reunião com o primeiro-ministro japonês, Shinzo Abe.

"Embora o Japão e a Coreia do Sul gostassem que voltássemos a integrar o TPP, eu não gosto deste acordo para os Estados Unidos. Demasiadas contingências", escreveu Donald Trump, na sua conta oficial da rede Twitter

Trump contrariou assim as declarações do secretário do Comércio, Wilbur Ross, na cimeira das Américas, em Lima, onde afirmou, na quinta-feira, que Washington admitia voltar ao TPP se o acordo fosse "substancialmente melhor".

Na mesma mensagem, Trump afirmou que "os acordos bilaterais são mais eficientes e benéficos para os trabalhadores norte-americanos".

O TPP11, criado após a saída dos Estados Unidos do TPP, é um acordo de livre comércio entre Brunei, Austrália, Canadá, Chile, Malásia, México, Japão, Nova Zelândia, Peru, Singapura e Vietname, assinado no dia 8 de março, em Santiago do Chile.

Trump recebeu na sua propriedade de Mar-a-Lago, na Florida, Abe, no primeiro de dois dias de uma visita que pretende preparar a cimeira entre o Presidente dos Estados Unidos e o líder norte-coreano, Kim Jong-un, prevista para o início de junho.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Adriano Moreira

O relatório do Conselho de Segurança

A Carta das Nações Unidas estabelece uma distinção entre a força do poder e o poder da palavra, em que o primeiro tem visibilidade na organização e competências do Conselho de Segurança, que toma decisões obrigatórias, e o segundo na Assembleia Geral que sobretudo vota orientações. Tem acontecido, e ganhou visibilidade no ano findo, que o secretário-geral, como mais alto funcionário da ONU e intervenções nas reuniões de todos os Conselhos, é muitas vezes a única voz que exprime o pensamento da organização sobre as questões mundiais, a chamar as atenções dos jovens e organizações internacionais, públicas e privadas, para a necessidade de fortalecer ou impedir a debilidade das intervenções sustentadoras dos objetivos da ONU.