Recusa voltar ao acordo de comércio livre do Pacífico

"Eu não gosto deste acordo para os EUA. Demasiadas contingências", escreveu Donald Trump, na rede social Twitter

O Presidente dos Estados Unidos reiterou, na terça-feira, que o Acordo de Comércio Livre do Pacífico (TPP) continua a apresentar riscos e que os "acordos bilaterais são melhores para o país".

A mensagem de Donald Trump foi divulgada horas após a reunião com o primeiro-ministro japonês, Shinzo Abe.

"Embora o Japão e a Coreia do Sul gostassem que voltássemos a integrar o TPP, eu não gosto deste acordo para os Estados Unidos. Demasiadas contingências", escreveu Donald Trump, na sua conta oficial da rede Twitter

Trump contrariou assim as declarações do secretário do Comércio, Wilbur Ross, na cimeira das Américas, em Lima, onde afirmou, na quinta-feira, que Washington admitia voltar ao TPP se o acordo fosse "substancialmente melhor".

Na mesma mensagem, Trump afirmou que "os acordos bilaterais são mais eficientes e benéficos para os trabalhadores norte-americanos".

O TPP11, criado após a saída dos Estados Unidos do TPP, é um acordo de livre comércio entre Brunei, Austrália, Canadá, Chile, Malásia, México, Japão, Nova Zelândia, Peru, Singapura e Vietname, assinado no dia 8 de março, em Santiago do Chile.

Trump recebeu na sua propriedade de Mar-a-Lago, na Florida, Abe, no primeiro de dois dias de uma visita que pretende preparar a cimeira entre o Presidente dos Estados Unidos e o líder norte-coreano, Kim Jong-un, prevista para o início de junho.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Os aspirantes a populistas

O medo do populismo é tão grande que, hoje em dia, qualquer frase, ato ou omissão rapidamente são associados a este bicho-papão. E é, de facto, um bicho-papão, mas nem tudo ou todos aqueles a quem chamamos de populistas o são de facto. Pelo menos, na verdadeira aceção da palavra. Na semana em que celebramos 45 anos de democracia em Portugal, talvez seja importante separarmos o trigo do joio. E percebermos que há políticos com quem podemos concordar mais ou menos e outros que não passam de reles cópias dos principais populistas mundiais, que, num fenómeno de mimetismo - e de muito oportunismo -, procuram ocupar um espaço que acreditam estar vago entre o eleitorado português.