Dividendos do Banco de Portugal foram os mais baixos desde 2011

Relatório anual do BdP entregou 186 milhões de euros em dividendos ao Estado, relativos a 2015

O Banco de Portugal (BdP) entregou ao Estado dividendos no valor de 186 milhões de euros relativos a 2015, o valor mais baixo desde 2011, informou hoje a instituição.

De acordo com o relatório anual do Banco de Portugal de 2015, os dividendos ilíquidos somaram os 186 milhões de euros no ano passado, abaixo dos 243 milhões registados em 2014, mas também abaixo dos 202 milhões entregues em 2013 e dos 359 milhões de euros de dividendos em 2012.

Para encontrar um valor inferior, é preciso recuar a 2011, ano em que a instituição liderada por Carlos Costa entregou ao Estado 19 milhões de euros em dividendos.

Quanto aos impostos correntes, verifica-se que o Banco de Portugal pagou 91 milhões de euros em 2015, um valor inferior aos 128 milhões pagos no ano anterior mas superior aos impostos pagos em 2014, que atingiram os 75 milhões de euros.

Ao todo, considerando dividendos e impostos correntes, em 2015, o Banco de Portugal entregou ao Estado 277 milhões de euros, menos 94 milhões do que em 2014, ano em que contribuiu com 371 milhões de euros.

O Banco de Portugal teve lucros de 233 milhões de euros no ano passado, uma queda de 23,4% face ao ano anterior, quando registou lucros de 304 milhões de euros.

Os resultados em operações financeiras atingiram os 372 milhões de euros, um crescimento de 71,8% em relação a 2014, ano em que estes resultados se cifraram nos 216 milhões de euros.

Quanto aos gastos administrativos, em 2015, foram de 179 milhões de euros, em linha com os registados no ano anterior (172 milhões de euros).

Destes gastos, a parcela mais relevante é relativa aos gastos com pessoal, que atingiu os 120 milhões de euros no ano passado (mais cinco milhões do que em 2014), seguindo-se os gastos com fornecimentos e serviços a terceiros, que somaram os 47 milhões (mais cinco milhões do que em 2014).

O número médio de trabalhadores também aumentou em 2015, para os 1.708 colaboradores, dos quais 394 estão afetos à função de supervisão do Banco de Portugal. Em 2014, o banco central contava com 1.681 trabalhadores, dos quais 372 estavam alocados à função de supervisão do banco.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

A ameaça dos campeões europeus

No dia 6 de fevereiro, Margrethe Vestager, numa só decisão, fez várias coisas importantes para o futuro da Europa, mas (quase) só os jornais económicos repararam. A comissária europeia para a Concorrência, ao impedir a compra da Alstom pela Siemens, mostrou que, onde a Comissão manda, manda mais do que os Estados membros, mesmo os grandes; e, por isso mesmo, fez a Alemanha e a França dizerem que querem rever as regras do jogo; relançou o debate sobre se a Europa precisa, ou não (e em que condições), de campeões para competir na economia global; e arrasou com as suas possibilidades (se é que existiam) de vir a suceder a Jean-Claude Juncker.

Premium

Anselmo Borges

Islamofobia e cristianofobia

1. Não há dúvida de que a visita do Papa Francisco aos Emirados Árabes Unidos de 3 a 5 deste mês constituiu uma visita para a história, como aqui procurei mostrar na semana passada. O próprio Francisco caracterizou a sua viagem como "uma nova página no diálogo entre cristianismo e islão". É preciso ler e estudar o "Documento sobre a fraternidade humana", então assinado por ele e pelo grande imã de Al-Azhar. Também foi a primeira vez que um Papa celebrou missa para 150 mil cristãos na Península Arábica, berço do islão, num espaço público.

Premium

Adriano Moreira

Uma ameaça à cidadania

A conquista ocidental, que com ela procurou ocidentalizar o mundo em que agora crescem os emergentes que parecem desenhar-lhe o outono, do modelo democrático-liberal, no qual a cidadania implica o dever de votar, escolhendo entre propostas claras a que lhe parece mais adequada para servir o interesse comum, nacional e internacional, tem sofrido fragilidades que vão para além da reforma do sistema porque vão no sentido de o substituir. Não há muitas décadas, a última foi a da lembrança que deixou rasto na Segunda Guerra Mundial, pelo que a ameaça regressa a várias latitudes.