Dívidas incobráveis de empresas nacionais aumentam 30% face a 2018

Em Portugal apesar de se verificar um crescimento da economia, as empresas continuam a acumular dívidas incobráveis

A percentagem de dívidas incobráveis em relação às receitas totais anuais, em Portugal, subiu de 1,7% em 2017 para 2,2% em 2018, num aumento de 30%, segundo o Intrum European Payment Report (EPR) 2018.

No comunicado disponibilizado sobre o relatório, lê-se que "em Portugal apesar de se verificar um crescimento da economia, as empresas continuam a acumular dívidas incobráveis", sendo o valor "substancialmente superior ao de Espanha (0,7%), e à média europeia que se situou em 1,7%, mas ainda assim longe da Irlanda, que ocupou o último lugar dos 29 países analisados, com 3,1%".

Os resultados do relatório anual da Intrum sobre comportamento de pagamentos das empresas indicam que Portugal foi o segundo país com "maior impacto dos atrasos de pagamento nos negócios, relativamente à liquidez das empresas portuguesas".

Com 51% das empresas nacionais a responder que o impacto dos atrasos nos pagamentos é elevado e causa grande pressão na liquidez, Portugal fica apenas atrás da "economia altamente problemática da Grécia, onde 82% das empresas dão resposta idêntica, e em linha com a Itália, também com 51%". A média europeia citou-se nos 36%.

Todavia, 82% das empresas nacionais consideram que o risco de atraso de pagamentos nos próximos 12 meses é estável.

Os resultados notam que Portugal é o país europeu com o maior nível de implementação de medidas preventivas diversas para se proteger contra os maus pagadores, como garantias bancárias, seguro de crédito, controlo de crédito, pré-pagamento, cobranças ou factoring.

Das empresas portuguesas inquiridas, apenas 16% afirmam não utilizar nenhuma das medidas preventivas para se protegerem contra atrasos de pagamento dos seus clientes. A média europeia neste tema é de 32%.

De acordo com o mesmo comunicado, Portugal é ainda o país onde a maior parte das empresas tem uma expectativa negativa quanto aos efeitos de uma União Europeia enfraquecida, nomeadamente com situações como o 'brexit' (saída do Reino Unido dos 28).

Das empresas nacionais inquiridas, 54% espera que uma União Europeia enfraquecida afete os seus negócios de forma negativa. "Uma postura mais pessimista, quando comparada com a média europeia de 23% das empresas, que partilham o mesmo sentimento", lê-se.

Citado no documento, Luís Salvaterra, diretor-geral da Intrum Portugal, comentou que "todas as empresas precisam de continuar a trabalhar para obter pagamentos mais rápidos, diminuindo também a vulnerabilidade das pequenas e médias empresas (PME)".

"Para que os atrasos de pagamentos e os encargos que estes colocam sobre as sociedades terminem de vez, as empresas precisam de assumir a responsabilidade de oferecer e exigir condições de pagamento justas", acrescentou.

As questões colocadas foram: "se teve incobráveis em 2017, qual foi a percentagem em relação às receitas totais?" e "como vê a evolução do risco das empresas suas clientes nos próximos 12 meses?"

O EPR 2018 teve por base uma pesquisa feita em 29 países europeus, entre 24 de janeiro e 23 de março de 2018, e reuniu dados de um total de 9.607 empresas em toda a Europa. Não foram especificadas as repostas por país.

A Intrum opera na indústria de serviços de gestão de crédito em 24 mercados na Europa.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.

Premium

Rogério Casanova

Três mil anos de pesca e praia

Parecem cagalhões... Tudo podre, caralho... A minha sanita depois de eu cagar é mais limpa do que isto!" Foi com esta retórica inspiradora - uma montagem de excertos poéticos da primeira edição - que começou a nova temporada de Pesadelo na Cozinha (TVI), versão nacional da franchise Kitchen Nightmares, um dos pontos altos dessa heroica vaga de programas televisivos do início do século, baseados na criativa destruição psicológica de pessoas sem qualquer jeito para fazer aquilo que desejavam fazer - um riquíssimo filão que nos legou relíquias culturais como Gordon Ramsay, Simon Cowell, Moura dos Santos e o futuro Presidente dos Estados Unidos. O formato em apreço é de uma elegante simplicidade: um restaurante em dificuldades pede ajuda a um reputado chefe de cozinha, que aparece no estabelecimento, renova o equipamento e insulta filantropicamente todo o pessoal, num esforço generoso para protelar a inevitável falência durante seis meses, enquanto várias câmaras trémulas o filmam a arremessar frigideiras pela janela ou a pronunciar aos gritos o nome de vários legumes.