Desempenho do PIB indicia boa perspetiva de crescimento futuro

O ministro das Finanças, Mário Centeno, congratulou-se hoje com o crescimento de 2,8% do Produto Interno Bruto (PIB) no segundo trimestre deste ano em termos homólogos, acrescentando que indicia uma boa perspetiva de crescimento futuro.

Os dados do Instituto Nacional de Estatística (INE), hoje divulgados, "renovam o ritmo" do crescimento da economia, com o PIB no "nível máximo da última década", afirmou o governante em declarações aos jornalistas, no Ministério das Finanças, em Lisboa.

"A nossa economia cresce pelo 15.º trimestre consecutivo", disse Mário Centeno, destacando que este crescimento foi "acima do crescimento da União Europeia".

O INE anunciou hoje que a economia portuguesa voltou a crescer 2,8% no segundo trimestre de 2017 face ao mesmo período do ano passado e, comparando com o trimestre anterior, cresceu 0,2%.

De acordo com a estimativa rápida das contas nacionais trimestrais relativas ao período entre abril e junho, o PIB aumentou 2,8% homólogos em volume, uma variação idêntica à registada no trimestre anterior.

A economia portuguesa mantém assim, pelo segundo trimestre consecutivo, o desempenho trimestral homólogo mais positivo dos últimos 10 anos, que iguala o crescimento verificado no último trimestre de 2007, período em que a economia portuguesa cresceu também 2,8%.

Os dados hoje divulgados pelo INE ficam abaixo das estimativas dos analistas contactados anteriormente pela agência Lusa, uma vez que estes antecipavam, em média, que no segundo trimestre a economia portuguesa tivesse crescido 3% em termos homólogos e 0,4% em cadeia.

O Governo espera um crescimento do PIB de 1,8% este ano.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

O populismo entre nós

O sucesso eleitoral de movimentos e líderes populistas conservadores um pouco por todo o mundo (EUA, Brasil, Filipinas, Turquia, Itália, França, Alemanha, etc.) suscita apreensão nos países que ainda não foram contagiados pelo vírus. Em Portugal vários grupúsculos e pequenos líderes tentam aproveitar o ar dos tempos, aspirando a tornar-se os Trumps, Bolsonaros ou Salvinis lusitanos. Até prova em contrário, estas imitações de baixa qualidade parecem condenadas ao fracasso. Isso não significa, porém, que o país esteja livre de populismos da mesma espécie. Os riscos, porém, vêm de outras paragens, a mais óbvia das quais já é antiga, mas perdura por boas e más razões - o populismo territorial.