Desde 2013 houve mais de 4300 ações de despejo em Lisboa e no Porto

Em cinco anos, o BNA tramitou mais de 4300 despejos em Lisboa e no Porto. A evolução dos números tem sido estável e o pico registou-se em 2015 e 2016.

Passaram pelo Balcão Nacional de Arrendamento (BNA) 4316 ações de despejo, desde que foi criado em janeiro de 2013. Registaram-se 2968 em Lisboa e 1348 no Porto. Segundo o Público desta sexta-feira, há 373 casos de despejo pendentes ainda nas duas cidades e, apesar dos dados não poderem ser utilizados para efeitos estatísticos, revelam que a evolução dos números tem sido estável. O Ministério da Justiça revelou ainda que foi em 2015 e 2016 que se receberam mais pedidos.

Leia mais em Dinheiro Vivo a sua marca de economia

Ler mais

Exclusivos

Premium

Adriano Moreira

O relatório do Conselho de Segurança

A Carta das Nações Unidas estabelece uma distinção entre a força do poder e o poder da palavra, em que o primeiro tem visibilidade na organização e competências do Conselho de Segurança, que toma decisões obrigatórias, e o segundo na Assembleia Geral que sobretudo vota orientações. Tem acontecido, e ganhou visibilidade no ano findo, que o secretário-geral, como mais alto funcionário da ONU e intervenções nas reuniões de todos os Conselhos, é muitas vezes a única voz que exprime o pensamento da organização sobre as questões mundiais, a chamar as atenções dos jovens e organizações internacionais, públicas e privadas, para a necessidade de fortalecer ou impedir a debilidade das intervenções sustentadoras dos objetivos da ONU.