Das '50 Sombras de grey' para o mundo da hotelaria

Sucesso à portuguesa - Boca do Lobo

Peças de mobiliário exclusivas e extravagantes, obras de arte que embelezam mansões da família real na Arábia Saudita e de artistas como John Legend ou Beyoncé. Foi o cenário que atraiu a Universal Pictures a usar algumas peças da portuguesa Boca do Lobo na adaptação ao cinema do best-seller As Cinquenta Sombras de Grey, e na sequela As Cinquenta Sombras mais Negras. A fama mundial "não mudou, em nada, as nossas crenças ou valores", garante Amândio Pereira, CEO do Covet Group, que detém a marca. O filme agora é outro: a entrada no mundo da hotelaria, desenvolvendo projetos de guest houses . Ao mesmo tempo prepara a construção de uma Covet Town, um "polo industrial à moda antiga" em que admite investir 25 milhões de euros.

O Covet Group nasceu a partir da Boca do Lobo, mas é hoje a holding de 20 negócios distintos, desde o design, criação e produção de marcas de mobiliário e iluminação, tais como Brabbu, Circu, Delightfull, Essencial Home, Luxxu, Maison Valentina ou Monsyeur. Projetos distintos que têm no design exclusivo e diferenciador o seu elemento central. Um projeto de Amândio Pereira e Ricardo Magalhães, que hoje dá emprego a meia centena de pessoas e que está em fase ativa de contratação de mais 200. A produção é totalmente made in Portugal e o grupo conta com escritórios e showrooms em Inglaterra (Londres) e nos Estados Unidos (Virgínia), além de Gondomar, onde uma moradia de frente para o rio Douro foi transformada numa imensa mostra das marcas do grupo.

"Aqui, os nossos clientes conseguem obter o enquadramento, o mais real possível, das nossas peças, em ambiente de lar", explica Amândio Pereira, que vive e trabalha nesse espaço quando está em Portugal. A maior parte do tempo vive nos EUA. E acaba de adquirir mais dois terrenos contíguos à propriedade, ficando com uma frente ribeirinha de 1,2 km, onde espera desenvolver um projeto turístico promocional que sirva para testar o conceito Covet Guesthouse que espera, mais tarde, alargar pelo mundo. "Se nos aparecesse um parceiro com know-how disposto a partilhar deste projeto, era o ideal. Se não houver ninguém, arriscamos nós", garante o empresário, que aponta como timing de concretização da ideia o ano de 2020, quando espera faturar cem milhões de euros. A partilha de responsabilidades e de resultados é uma das grandes apostas do grupo. "O Marco Costa entrou, há oito anos, como estagiário. Hoje, gere o negócio Boca do Lobo. E cada uma das outras marcas tem um responsável direto, aos quais abrimos o capital da empresa, numa lógica de partilha de resultados. E fazemo-lo transversalmente."

Referências do design no mundo do mobiliário e decoração, os artigos Boca do Lobo estão presentes em 80 países; diariamente, a marca "trabalha, ativamente, 35 mercados", com especial destaque para o Reino Unido e os EUA, Europa, Canadá, China, América Latina e Emirados Árabes Unidos. O futuro passa por abordar o negócio, cidade a cidade, com escritórios ou guesthouses nas principais capitais do mundo. Aliás, a comunicação é a grande arma da Boca do Lobo, admite Amândio Pereira, que conta com uma equipa de 60 pessoas que estão, todos os dias, a escrever em blogues. Além da revista CovetED Magazine que edita e distribui em mais de 20 países.

Mas é no saber fazer dos artesãos portugueses que reside o sucesso da Boca do Lobo. "Preservar para as gerações futuras artes que estão em vias de extinção" é o objetivo que preside à decisão de construir um polo industrial que junte num mesmo espaço - 50 mil metros quadrados de construção, com muita área verde - todas as suas valências. O terreno está negociado e o objetivo é manter a empresa em Gondomar, mas há condicionantes de licenciamento a ultrapassar. Um polo que, além do complexo fabril, terá habitação, supermercado e ginásio, entre outras valências. Uma garantia de que, no futuro, a Boca do Lobo irá continuar a produzir obras de arte.

B.I. - Covet Group

A Boca do Lobo é, provavelmente, a marca portuguesa de mobiliário mais conhecida do mundo, embora o Grupo Covet tenha mais oito marcas. São verdadeiras obras de arte com preços que vão dos 1100 euros a meio milhão de euros, o custo do cofre Millionaire, em chapa de ouro. Uma peça simbólica, apenas, já que ainda ninguém a comprou.

Atividade - Mobiliário e iluminação

Tempo atividade - 12 anos

Faturação - 30 a 32 milhões esperados neste ano

Número de empregados - 500

Endereço - Rua Particular de Regueirais, Rio Tinto

E-mail - info@meninadesign.pt

Acionistas - Amândio Pereira e Ricardo Magalhães

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.

Premium

Rogério Casanova

Três mil anos de pesca e praia

Parecem cagalhões... Tudo podre, caralho... A minha sanita depois de eu cagar é mais limpa do que isto!" Foi com esta retórica inspiradora - uma montagem de excertos poéticos da primeira edição - que começou a nova temporada de Pesadelo na Cozinha (TVI), versão nacional da franchise Kitchen Nightmares, um dos pontos altos dessa heroica vaga de programas televisivos do início do século, baseados na criativa destruição psicológica de pessoas sem qualquer jeito para fazer aquilo que desejavam fazer - um riquíssimo filão que nos legou relíquias culturais como Gordon Ramsay, Simon Cowell, Moura dos Santos e o futuro Presidente dos Estados Unidos. O formato em apreço é de uma elegante simplicidade: um restaurante em dificuldades pede ajuda a um reputado chefe de cozinha, que aparece no estabelecimento, renova o equipamento e insulta filantropicamente todo o pessoal, num esforço generoso para protelar a inevitável falência durante seis meses, enquanto várias câmaras trémulas o filmam a arremessar frigideiras pela janela ou a pronunciar aos gritos o nome de vários legumes.