Da falência ao êxito: aumenta procura de peças de Bordallo Pinheiro no estrangeiro

A empresa vai abrir as primeiras lojas fora de Portugal. Metade das peças vendidas em 2017 foram para compradores estrangeiros

As criações de cerâmica do século XIX do artista Raphael Bordallo Pinheiro "estão a tomar conta das mesas" estrangeiras. Algo que facilmente se comprova pelos feeds de Instragram internacionais, o que levou mesmo o britânico The Guardian afirmar este sábado que "há um apetite por algo mais forte" a nível artístico.

O êxito é tal que a empresa prepara-se para abrir as primeiras lojas fora de Portugal, em Paris (França) e em Madrid (Espanha). Uma decisão que se justifica também com o facto de metade das peças vendidas em 2017 - cerca de um milhão - terem sido adquiridas por compradores estrangeiros.

Bordallo Pinheiro "experimentava para conseguir cores naturais e pormenores, como penas ou folhas. O objetivo era criar objetos que se assemelhassem à realidade", explicou ao The Guardian a diretora artística da empresa de peças de cerâmica, Elsa Rebelo.

A diretora artística avançou ainda que a nova equipa de escultores está a criar novas peças baseadas nos moldes originais: "No nosso arquivo temos centenas de designs criados pelo Rafael e pelo filho, Manuel Bordalo Pinheiro, entre 1884 e 1910". O arquivo também tem desenhos suficientes para "lançar produtos novos por mais 100 anos".

Novo dono, outro futuro

A empresa sediada nas Caldas da Rainha, no distrito de Leiria, esteve à beira da insolvência em 2009, quando foi adquirida pela Visabeira, que é também detentora da marca Vista Alegre. As peças são feitas à mão por 250 funcionários e entre as criações há um lagarto envolto numa cabaça, uma joaninha que se empoleira na berma de um prato de folha de trapézio com veios, tigelas em forma de vegetais ou frutas e terrinas de abóbora.

A Bordallo Pinheiro "tem tido um crescimento exponencial", de acordo com o administrador, Nuno Barra, em declarações prestadas à agência Lusa em janeiro. Em 2009, a empresa faturava cerca de 2,4 milhões de euros por ano e a estimativa para 2017 é de "mais de seis milhões de euros", segundo Nuno Barra.

Além disso, a fábrica da Bordallo Pinheiro está a ser alvo de uma expansão, que vai aumentar a capacidade de produção em 33%, num investimento de sete milhões de euros, e a expansão deverá estar concluída entre agosto e setembro deste ano - a unidade fabril passa de 9.000 para 12.000 metros quadrados e aumenta de 187 para 254 o número de trabalhadores.

O processo de reintrodução da empresa no mercado envolveu diversas iniciativas e artistas plásticos, como Joana Vasconcelos e a a atual diretora artística. Também foi adquirida nova maquinaria e os processos de produção foram reorganizados.

Exclusivos

Premium

história

A América foi fundada também por angolanos

Faz hoje, 25 de agosto, exatos 400 anos que desembarcaram na América os primeiros negros. Eram angolanos os primeiros 20 africanos a chegar à América - a Jamestown, colónia inglesa acabada se ser fundada no que viria a ser o estado da Virgínia. O jornal The New York Times tem vindo a publicar uma série de peças jornalísticas, inseridas no Project 1619, dedicadas ao legado da escravatura nos Estados Unidos. Os 20 angolanos de Jamestown vinham num navio negreiro espanhol, a caminho das minas de prata do México; o barco foi apresado por piratas ingleses e levados para a nova Jamestown. O destino dos angolanos acabou por ser igual ao de muitos colonos ingleses: primeiro obrigados a trabalhar como contratados e, ao fim de alguns anos, livres e, por vezes, donos de plantações. Passados sete anos, em 1626, chegaram os primeiros 11 negros a Nova Iorque (então, Nova Amesterdão) - também eram angolanos. O Jornal de Angola publicou ontem um longo dossiê sobre estes acontecimentos que, a partir de uma das maiores tragédias da História moderna, a escravatura, acabaram por juntar o destino de dois países, Angola e Estados Unidos, de dois continentes distantes.