Crescimento do investimento é o maior dos últimos 19 anos

Crescimento foi o mais expressivo desde 1998

O investimento apresentou, entre janeiro e março, o crescimento trimestral homólogo mais expressivo desde 1998 e as exportações tiveram, no mesmo período, a maior subida trimestral desde 2013, divulgou hoje o Instituto Nacional de Estatística (INE).

O INE confirmou hoje que a economia portuguesa cresceu 2,8% no primeiro trimestre deste ano face ao mesmo período do ano passado, o desempenho homólogo do Produto Interno Bruto (PIB) mais positivo desde o último trimestre de 2007.

Para este crescimento, a procura externa líquida contribuiu com 0,5 pontos percentuais (devido a um aumento superior das exportações que o das importações) e a procura interna com 2,3 pontos percentuais (com a aceleração do investimento a compensar um abrandamento do consumo privado).

Desta forma, o crescimento do PIB no primeiro trimestre é explicado principalmente pela aceleração das exportações e da Formação Bruta de Capital Fixo (FBCF), que é o investimento realizado excluindo os 'stocks'.

Este indicador cresceu 8,9% no primeiro trimestre deste ano face aos mesmos três meses de 2016, quando no quarto trimestre do ano passado tinha avançado 5,2%, também em termos homólogos.

Esta subida registada entre janeiro e março é a maior desde o último trimestre de 1998, quando a FBCF avançou 13,7%.

O investimento em construção foi a componente que mais contribuiu para o crescimento da FBCF no primeiro trimestre deste ano, registando um aumento homólogo de 8,5% em termos reais (1,5% no trimestre anterior).

Também as exportações aceleraram neste primeiro trimestre, ao passarem de um crescimento homólogo de 6,6% no quarto trimestre de 2016 para 9,7%. Este crescimento é o maior desde o último trimestre de 2013 (9,9%).

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

'Motu proprio' anti-abusos

1. Muitas vezes me tenho referido aqui, e não só aqui, à tragédia da pedofilia na Igreja. Foram milhares de menores e adultos vulneráveis que foram abusados. Mesmo sabendo que o número de pedófilos é muito superior na família e noutras instituições, a gravidade da situação na Igreja é mais dramática. Por várias razões: as pessoas confiavam na Igreja quase sem condições, o que significa que houve uma traição a essa confiança, e o clero e os religiosos têm responsabilidades especiais. O mais execrável: abusou-se e, a seguir, ameaçou-se as crianças para que mantivessem silêncio, pois, de outro modo, cometiam pecado e até poderiam ir para o inferno. Isto é monstruoso, o cume da perversão. E houve bispos, superiores maiores, cardeais, que encobriram, pois preferiram salvaguardar a instituição Igreja, quando a sua obrigação é proteger as pessoas, mais ainda quando as vítimas são crianças. O Papa Francisco chamou a esta situação "abusos sexuais, de poder e de consciência". Também diz, com razão, que a base é o "clericalismo", julgar-se numa situação de superioridade sagrada e, por isso, intocável. Neste abismo, onde é que está a superioridade do exemplo, a única que é legítimo reclamar?