Crescimento das economias da zona euro e UE abranda no 1.º trimestre

Produto Interno Bruto (PIB) progrediu 2,5% entre janeiro e março, em relação ao mesmo período de 2017

O crescimento das economias da zona euro e da União Europeia (UE) abrandou no primeiro trimestre do ano, quer em termos homólogos, quer face ao período anterior, divulga o Eurostat.

Em Portugal, entre janeiro e março, o PIB cresceu 2,1% em termos homólogos e 2,1% face ao trimestre anterior.

No conjunto dos países do euro, o Produto Interno Bruto (PIB) progrediu 2,5%, entre janeiro e março, face ao mesmo período de 2017, abaixo do crescimento homólogo de 2,8% registado no quarto trimestre de 2017.

Na UE, o PIB cresceu 2,4% no primeiro trimestre em termos homólogos, abaixo dos 2,7% de crescimento homólogo registado entre outubro e dezembro de 2017.

Na variação em cadeia, o PIB progrediu 0,4% quer na zona euro quer na UE, um crescimento abaixo dos 0,7% registado em ambas as zonas no trimestre anterior.

Segundo o gabinete de estatísticas da UE, a Letónia (5,1%), a Polónia e Eslovénia (5,0%) e a Hungria (4,7%) foram os países cuja economia mais cresceu em termos homólogos no primeiro trimestre.

A Dinamarca (-0,5%) viu a sua economia recuar e o Reino Unido (1,2%), a Itália (1,4%) e a Bélgica (1,5%) foram os países com menor crescimento económico homólogo.

Na variação em cadeia, a Letónia e a Polónia (1,6% cada) registaram as maiores taxas de crescimento face ao trimestre anterior, seguindo-se a Hungria e Finlândia (1,2% cada).

A Estónia teve uma ligeira diminuição no seu PIB (-0,1%) e a economia da Roménia manteve-se estável no primeiro trimestre do ano.

Ler mais

Exclusivos

Premium

DN Life

DN Life. «Não se trata o cancro ou as bactérias só com a mente. Eles estão a borrifar-se para o placebo»

O efeito placebo continua a gerar discussão entre a comunidade científica e médica. Um novo estudo sugere que há traços de personalidade mais suscetíveis de reagir com sucesso ao referido efeito. O reumatologista José António Pereira da Silva discorda da necessidade de definir personalidades favoráveis ao placebo e vai mais longe ao afirmar que "não há qualquer hipótese ética de usar o efeito placebo abertamente".