CP muda de presidente. Nuno Freitas é o escolhido do Governo

Diretor-geral da empresa Nomad Tech é o nome escolhido pelo Ministério das Infraestruturas. Vai liderar o plano de renovação de material da CP.

Nuno Freitas é o novo presidente do conselho de administração da CP - Comboios de Portugal. O atual diretor-geral da empresa Nomad Tech (empresa participada em 35% pela EMEF) foi o nome escolhido pelo Ministério das Infraestruturas para liderar os destinos da empresa pública de comboios, segundo a informação adiantada pelo jornal digital Eco e que o Dinheiro Vivo também já confirmou.

Carlos Gomes Nogueira terá sido demitido da presidência do conselho de administração. Segundo a informação apurada, não foi apresentada qualquer carta de demissão pelo gestor desta empresa pública. A última aparição pública de Carlos Gomes Nogueira foi na segunda-feira, dia 15, na inauguração da eletrificação dos troços Caíde-Marco e Nine-Viana do Castelo.

A CP vai contar com um conselho de administração praticamente novo: além de Carlos Gomes Nogueira, Sérgio Abrantes Machado também está de saída da empresa pública de comboios. Da anterior equipa, só sobra Ana Malhó, que vai manter-se como responsável financeira.

Pedro Moreira é o atual diretor da unidade de manutenção de Alta Velocidade (responsável pelos comboios Alfa Pendular) das oficinas da EMEF; Pedro Ribeiro é o responsável pela direção de material da CP no Norte do país, segundo o jornal Público, que avançou com a notícia na passada quinta-feira; a economista Isabel Ribeiro deverá ficar com o pelouro dos recursos humanos.

Os novos nomes para a administração da CP foram escolhidos três semanas depois de o Governo ter aprovado, também em Conselho de Ministros, um plano de investimento na CP e na EMEF válido até 2022. Só na renovação de 70 unidades - entre automotoras, carruagens e locomotivas - serão gastos 45 milhões de euros nos próximos três anos.

Exclusivos

Premium

Líderes europeus

As divisões da Europa 30 anos após o fim da Cortina de Ferro

Angela Merkel reuniu-se com Viktor Orbán, Emmanuel Macron com Vladimir Putin. Nos próximos dias, um e outro receberão Boris Johnson. E Matteo Salvini tenta assalto ao poder, enquanto alimenta a crise do navio da ONG Open Arms, com 107 migrantes a bordo, com a Espanha de Pedro Sánchez. No meio disto tudo prepara-se a cimeira do G7 em Biarritz. E assinala-se os 30 anos do princípio do fim da Cortina de Ferro.