CP está a trabalhar com a Renfe para entrar no mercado espanhol

Transportadora ferroviária portuguesa quer chegar a cidades como Madrid, Barcelona, Badajoz e Valência

Apesar do período de crise que enfrenta, a CP - Comboios de Portugal está a preparar-se para a liberalização do transporte ferroviário de passageiros na União Europeia, prevista para 1 de janeiro de 2019. Segundo o ​​Jornal de Negócios, a transportadora portuguesa está a trabalhar com a congénere Renfe, no sentido de prestar serviços em quatro cidades espanholas: Madrid, Barcelona, Valência e Badajoz.

"Vamos pensar no mercado ibérico de forma a que os comboios da CP possam ir em poucas horas a Madrid, Barcelona, Valência e Badajoz", explicou em julho o presidente da transportadora ferroviária portuguesa, Carlos Nogueira, numa conferência sobre transportes públicos realizada no Parlamento, onde explicou que o comboio noturno "Lusitânia", entre Lisboa e Madrid, em nada tem a ver com o projeto. Na mesma sessão, Carlos Nogueira admitiu a possibilidade de a transportadora pública portuguesa poder vir a entrar noutros países da União Europeia, mas para que isso aconteça é necessário que haja "capital e material circulante adequado e com boa performance".

Para além do comboio "Lusitânia", a CP opera mais duas ligações internacionais para Espanha: o "Celta", entre Porto e Vigo, e o "Sud Expresso", entre Lisboa e Hendaia.

De acordo com Carlos Nogueira, a mudança na administração da Renfe permite "reiniciar o processo com novos interlocutores" e "trabalhar em veículos empresariais para, em conjunto na área de joint venture, encontrarmos soluções para sermos competitivos principalmente no mercado ibérico".

Foram descartadas parcerias com outras empresas ferroviárias, pelo que, para já, o foco passa pelas negociações com a Renfe.

A CP e o Governo terão de trabalhar num contrato de serviço público que terá de ser formalizado até ao final de 2018, na sequência da liberalização do transporte ferroviário de passageiros, o que passa por definir indicadores objetivos de cooperação, transparência financeira, obrigações de serviço público e compensações.

As empresas ferroviárias ainda poderão fazer um ajuste direto até 2023, data a partir do qual deverão estar sujeitas à concorrência.

A liberalização poderá abrir portas à entrada de operadores privados no mercado português, em particular nas linhas mais rentáveis e movimentadas para a CP. Algumas delas, como é o caso dos suburbanos, poderão ser abrangidas pelo contrato de serviço público.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

O FMI, a Comissão Europeia e a direita portuguesa

Os relatórios das instituições internacionais sobre a economia e a política económica em Portugal são desde há vários anos uma presença permanente do debate público nacional. Uma ou duas vezes por ano, o FMI, a Comissão Europeia (CE), a OCDE e o Banco Central Europeu (BCE) - para referir apenas os mais relevantes - pronunciam-se sobre a situação económica do país, sobre as medidas de política que têm vindo a ser adotadas pelas autoridades nacionais, sobre os problemas que persistem e sobre os riscos que se colocam no futuro próximo. As análises que apresentam e as recomendações que emitem ocupam sempre um lugar destacado na comunicação social no momento em que são publicadas e chegam a marcar o debate político durante meses.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.