CP vai pagar sete milhões por ano à Renfe por quatro comboios

A CP vai assinar esta segunda-feira, em Madrid, um protocolo com a Renfe para alugar quatro comboios a diesel à empresa espanhola, que deverão começar a chegar a Portugal no início de 2019.

A transportadora ferroviária portuguesa tem atualmente alugadas 20 composições à Renfe, à qual paga sete milhões de euros por ano, ou cerca de 350 mil euros por comboio.

Segundo uma nota do Ministério do Planeamento e das Infraestruturas, o protocolo "contempla a extensão a mais unidades do contrato de aluguer de material circulante a diesel existente entre a Renfe e a CP".

O acordo prevê também a "realização de testes técnicos com vista ao aluguer de unidades elétricas pela empresa portuguesa" à Renfe e a troca de experiências de manutenção de comboios entre as empresas de manutenção da CP (EMEF) e a empresa espanhola.

À assinatura do protocolo pelos presidentes da Renfe e da CP -- Comboios de Portugal assistem o secretário de Estado das Infraestruturas, Transportes e Habitação espanhol, Pedro Saura, e o secretário de Estado das Infraestruturas português, Guilherme W. d'Oliveira Martins.

O acordo é formalizado na véspera de o presidente da CP, Carlos Gomes Nogueira, ser ouvido no parlamento sobre a "degradação do material e do serviço prestado", numa audição pedida pelo PSD, segundo a página da Assembleia da República na internet.

Na próxima quinta-feira, é a vez de o ministro do Planeamento e das Infraestruturas, Pedro Marques, estar na comissão permanente para debater a situação da ferrovia, que tem sido motivo de queixas.

O Governo tem dito que o aluguer de comboios pela CP visa suprir as necessidades enquanto se espera pelo concurso para a compra de comboios. O concurso ainda será lançado e poderá demorar três a quatro anos.

Em 20 de agosto, após uma visita às oficinas de Campolide, em Lisboa, o presidente da CP falou no eventual aluguer de seis a dez comboios.

Portugal apenas pode alugar comboios a Espanha, uma vez que ambos os países têm a mesma distância entre carris, a chamada bitola ibérica.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Os aspirantes a populistas

O medo do populismo é tão grande que, hoje em dia, qualquer frase, ato ou omissão rapidamente são associados a este bicho-papão. E é, de facto, um bicho-papão, mas nem tudo ou todos aqueles a quem chamamos de populistas o são de facto. Pelo menos, na verdadeira aceção da palavra. Na semana em que celebramos 45 anos de democracia em Portugal, talvez seja importante separarmos o trigo do joio. E percebermos que há políticos com quem podemos concordar mais ou menos e outros que não passam de reles cópias dos principais populistas mundiais, que, num fenómeno de mimetismo - e de muito oportunismo -, procuram ocupar um espaço que acreditam estar vago entre o eleitorado português.