CP vai pagar sete milhões por ano à Renfe por quatro comboios

A CP vai assinar esta segunda-feira, em Madrid, um protocolo com a Renfe para alugar quatro comboios a diesel à empresa espanhola, que deverão começar a chegar a Portugal no início de 2019.

A transportadora ferroviária portuguesa tem atualmente alugadas 20 composições à Renfe, à qual paga sete milhões de euros por ano, ou cerca de 350 mil euros por comboio.

Segundo uma nota do Ministério do Planeamento e das Infraestruturas, o protocolo "contempla a extensão a mais unidades do contrato de aluguer de material circulante a diesel existente entre a Renfe e a CP".

O acordo prevê também a "realização de testes técnicos com vista ao aluguer de unidades elétricas pela empresa portuguesa" à Renfe e a troca de experiências de manutenção de comboios entre as empresas de manutenção da CP (EMEF) e a empresa espanhola.

À assinatura do protocolo pelos presidentes da Renfe e da CP -- Comboios de Portugal assistem o secretário de Estado das Infraestruturas, Transportes e Habitação espanhol, Pedro Saura, e o secretário de Estado das Infraestruturas português, Guilherme W. d'Oliveira Martins.

O acordo é formalizado na véspera de o presidente da CP, Carlos Gomes Nogueira, ser ouvido no parlamento sobre a "degradação do material e do serviço prestado", numa audição pedida pelo PSD, segundo a página da Assembleia da República na internet.

Na próxima quinta-feira, é a vez de o ministro do Planeamento e das Infraestruturas, Pedro Marques, estar na comissão permanente para debater a situação da ferrovia, que tem sido motivo de queixas.

O Governo tem dito que o aluguer de comboios pela CP visa suprir as necessidades enquanto se espera pelo concurso para a compra de comboios. O concurso ainda será lançado e poderá demorar três a quatro anos.

Em 20 de agosto, após uma visita às oficinas de Campolide, em Lisboa, o presidente da CP falou no eventual aluguer de seis a dez comboios.

Portugal apenas pode alugar comboios a Espanha, uma vez que ambos os países têm a mesma distância entre carris, a chamada bitola ibérica.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

"Orrrderrr!", começou a campanha europeia

Através do YouTube, faz grande sucesso entre nós um florilégio de gritos de John Bercow - vocês sabem, o speaker do Parlamento britânico. O grito dele é só um, em crescendo, "order, orrderr, ORRRDERRR!", e essa palavra quer dizer o que parece. Aquele "ordem!" proclamada pelo presidente da Câmara dos Comuns demonstra a falta de autoridade de toda a gente vulgar que hoje se senta no Parlamento que iniciou a democracia na velha Europa. Ora, se o grito de Bercow diz muito mais do que parece, o nosso interesse por ele, através do YouTube, diz mais de nós do que de Bercow. E, acreditem, tudo isto tem que ver com a nossa vida, até com a vidinha, e com o mundo em que vivemos.

Premium

Marisa Matias

Mulheres

Nesta semana, um país inteiro juntou-se solidariamente às mulheres andaluzas. Falo do nosso país vizinho, como é óbvio. A chegada ao poder do partido Vox foi a legitimação de um discurso e de uma postura sexistas que julgávamos já eliminadas aqui por estes lados. Pois não é assim. Se durante algumas décadas assistimos ao reforço dos direitos das mulheres, nos últimos anos, a ascensão de forças políticas conservadoras e sexistas mostrou o quão rápida pode ser a destruição de direitos que levaram anos a construir. Na Hungria, as autoridades acham que o lugar da mulher é em casa, na Polónia não podem vestir de preto para não serem confundidas com gente que acha que tem direitos, em Espanha passaram a categoria de segunda na Andaluzia. Os exemplos podiam ser mais extensos, os tempos que vivemos são estes. Mas há sempre quem não desista, e onde se escreve retrocesso nas instituições, soma-se resistência nas ruas.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Ser ou não ser, eis a questão

De facto, desde o famoso "to be, or not to be" de Shakespeare que não se assistia a tão intenso dilema britânico. A confirmação do desacordo do Brexit e o chumbo da moção de censura a May agudizaram a imprevisibilidade do modo como o Reino Unido acordará desse mesmo desacordo. Uma das causas do Brexit terá sido certamente a corrente nacionalista, de base populista, com a qual a Europa em geral se debate. Mas não é a única causa. Como deverá a restante Europa reagir? Em primeiro lugar, com calma e serenidade. Em seguida, com muita atenção, pois invariavelmente o único ganho do erro resulta do que aprendemos com o mesmo. Imperativo é também que aprendamos a aprender em conjunto.