CP vai pagar sete milhões por ano à Renfe por quatro comboios

A CP vai assinar esta segunda-feira, em Madrid, um protocolo com a Renfe para alugar quatro comboios a diesel à empresa espanhola, que deverão começar a chegar a Portugal no início de 2019.

A transportadora ferroviária portuguesa tem atualmente alugadas 20 composições à Renfe, à qual paga sete milhões de euros por ano, ou cerca de 350 mil euros por comboio.

Segundo uma nota do Ministério do Planeamento e das Infraestruturas, o protocolo "contempla a extensão a mais unidades do contrato de aluguer de material circulante a diesel existente entre a Renfe e a CP".

O acordo prevê também a "realização de testes técnicos com vista ao aluguer de unidades elétricas pela empresa portuguesa" à Renfe e a troca de experiências de manutenção de comboios entre as empresas de manutenção da CP (EMEF) e a empresa espanhola.

À assinatura do protocolo pelos presidentes da Renfe e da CP -- Comboios de Portugal assistem o secretário de Estado das Infraestruturas, Transportes e Habitação espanhol, Pedro Saura, e o secretário de Estado das Infraestruturas português, Guilherme W. d'Oliveira Martins.

O acordo é formalizado na véspera de o presidente da CP, Carlos Gomes Nogueira, ser ouvido no parlamento sobre a "degradação do material e do serviço prestado", numa audição pedida pelo PSD, segundo a página da Assembleia da República na internet.

Na próxima quinta-feira, é a vez de o ministro do Planeamento e das Infraestruturas, Pedro Marques, estar na comissão permanente para debater a situação da ferrovia, que tem sido motivo de queixas.

O Governo tem dito que o aluguer de comboios pela CP visa suprir as necessidades enquanto se espera pelo concurso para a compra de comboios. O concurso ainda será lançado e poderá demorar três a quatro anos.

Em 20 de agosto, após uma visita às oficinas de Campolide, em Lisboa, o presidente da CP falou no eventual aluguer de seis a dez comboios.

Portugal apenas pode alugar comboios a Espanha, uma vez que ambos os países têm a mesma distância entre carris, a chamada bitola ibérica.

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

"Corta!", dizem os Diáconos Remédios da vida

É muito irónico Plácido Domingo já não cantar a 6 de setembro na Ópera de São Francisco. Nove mulheres, todas adultas, todas livres, acusaram-no agora de assédios antigos, quando já elas eram todas maiores e livres. Não houve nenhuma acusação, nem judicial nem policial, só uma afirmação em tom de denúncia. O tenor lançou-lhes o seu maior charme, a voz, acrescida de ter acontecido quando ele era mais magro e ter menos cãs na barba - só isso, e que já é muito (e digo de longe, ouvido e visto da plateia) -, lançou, foi aceite por umas senhoras, recusado por outras, mas agora com todas a revelar ter havido em cada caso uma pressão por parte dele. O âmago do assunto é no fundo uma das constantes, a maior delas, daquilo que as óperas falam: o amor (em todas as suas vertentes).

Premium

Crónica de Televisão

Os índices dos níveis da cadência da normalidade

À medida que o primeiro dia da crise energética se aproximava, várias dúvidas assaltavam o espírito de todos os portugueses. Os canais de notícias continuariam a ter meios para fazer directos em estações de serviço semidesertas? Os circuitos de distribuição de vox pop seriam afectados? A língua portuguesa resistiria ao ataque concertado de dezenas de repórteres exaustos - a misturar metáforas, mutilar lugares-comuns ou a começar cada frase com a palavra "efectivamente"?