Costa muda a Caixa. Leonor Beleza e Rui Vilar serão vice-presidentes

Governance do banco está a ser alterado para criar um conselho de administração não executivo com representantes de várias áreas da sociedade civil. Guilherme d"Oliveira Martins vai liderar conselho fiscal

É uma espécie de conselho de sábios composto por pessoas das mais diferentes áreas da sociedade civil que vão ajudar a pensar o banco público. E que tem à frente, no lugar de vice-presidentes, Leonor Beleza e Rui Vilar. A criação do conselho de administração não executivo é uma das alterações em que o governo está a trabalhar para a Caixa Geral de Depósitos, cujos planos de reestruturação estarão quase concluídos.

A ideia de António Costa passa por alterar a estrutura de governance e acabar com a figura de chairman - lugar prescindível na Caixa Geral de Depósitos, uma vez que o Estado é o único acionista do banco, logo não há necessidade de equilibrar várias posições.

António Domingues, que nesta semana renunciou ao cargo de vice-presidente do BPI e deverá assumir a presidência executiva do banco do Estado ainda neste mês, terá nas mãos a gestão da Caixa - e contará com uma equipa de seis membros executivos para apoiá-lo. A sua principal missão será capitalizar o banco - o que implicará um reforço de capital que ronda os quatro mil milhões de euros - e ajustar o modelo de negócio de forma a resolver os problemas que levaram o banco público a prejuízos de 74 milhões de euros no primeiro trimestre do ano.

Mas o que realmente se distingue na aposta do governo para a Caixa é a constituição de um conselho de administração não executivo que garanta a representatividade da sociedade civil na instituição financeira. Com 12 cadeiras, será a este órgão que caberão as funções de fiscalização da gestão. António Costa quis ir buscar nomes relevantes a diferentes áreas, de forma a ter representados no banco público vários setores de atividade que possam acrescentar valor e contribuir para a procura de soluções e novos caminhos.

Assim se explica a escolha, confirmada pelo DN, de Rui Vilar - ex-presidente da Gulbenkian e da REN e atualmente membro do Conselho Consultivo do Banco de Portugal - e de Leonor Beleza para vice-presidentes do banco. Sendo os lugares não executivos, a antiga ministra da Saúde de Cavaco Silva - que só aceitou o cargo na condição de não ser remunerada pelas funções a desempenhar na Caixa Geral de Depósitos - vai manter-se à frente da Fundação Champalimaud, posição que assumiu em 2004.

Para o conselho de administração não executivo foram também convidados, sabe o DN, o ex-secretário de Estado do Turismo de José Sócrates, Bernardo Trindade, e o ex-presidente executivo da Impresa, Pedro Norton. Para presidir o conselho fiscal, confirmou o DN, foi ainda chamado Guilherme d"Oliveira Martins, que cumpriu dois mandatos como presidente do Tribunal de Contas e no final do ano passado assumiu o cargo de administrador executivo da Fundação Gulbenkian.

Contactados, nenhum dos três esteve disponível para comentar os convites.

Salários podem subir

Estão ainda por revelar os restantes nomes escolhidos para o conselho de administração não executivo da Caixa que, segundo o Negócios, incluem dois estrangeiros. De acordo com a mesma publicação, para o banco estatal serão ainda nomeados o presidente da mesa da Assembleia Geral e os membros da comissão de remunerações e do conselho fiscal, já que da equipa de José de Matos, cujo mandato terminou em dezembro, não ficará ninguém.

Ontem à tarde foi já comunicada à Comissão do Mercado dos Valores Mobiliários (CMVM) a renúncia de dois administradores: o vice-presidente da Caixa Geral de Depósitos, Nuno Fernandes Thomaz, e Maria João Borges Carioca Rodrigues - que vai assumir um lugar como a nova presidente da Euronext Lisbon, sucedendo a Luís Laginha de Sousa, tendo a sua nomeação já sido aprovada por unanimidade.

Quando a nova equipa entrar em funções, o que deverá acontecer ainda neste mês, poderá contar já com um salário mais generoso do que o valor atualmente pago à equipa de José de Matos.

É pública a vontade do Banco Central Europeu (BCE) de acabar com a desigualdade e os limites impostos aos salários dos administradores da Caixa Geral de Depósitos desde 2006. E as Finanças já disseram que estão prontas para acatar essa recomendação, prevendo-se que a alteração à lei seja aprovada numa das próximas reuniões do conselho de ministros. A entrada em funções da administração liderada por António Domingues será a altura ideal para acabar com essas discrepâncias.

O governo já assumiu que quer fazer da Caixa um "banco forte" e precisar, para isso, de se recapitalizar, mas não avança números. "Ainda estamos a discutir os valores, ainda não estão fechados", garantia há uma semana o ministro das Finanças, Mário Centeno. "O objetivo é fazer da CGD um banco forte, capaz de financiar a economia. Precisamos de financiamento na economia e o sistema bancário é a chave para isso", concluiu o ministro.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.