Costa lembra que Novo Banco é para vender até 2017 e há tempo para decidir bem

"A obtenção deste prazo visa sobretudo diminuir a ansiedade das senhoras e senhores jornalistas", disse o primeiro-ministro

O primeiro-ministro, António Costa, lembrou hoje que a venda do Novo Banco deve ser feita, de acordo com os compromissos assumido com Bruxelas, até agosto de 2017, e há tempo para "bem decidir o que tem de ser decidido".

"O Governo obteve da União Europeia a prorrogação por mais um ano do prazo para tomar decisões sobre o Novo Banco, até agosto de 2017", lembrou António Costa, que falava durante uma visita ao Salão Internacional do Setor Alimentar e Bebidas (SISAB), em Lisboa.

E concretizou: "A obtenção deste prazo visa sobretudo diminuir a ansiedade das senhoras e senhores jornalistas, a preocupação de todos nós, e sabermos que temos tempo para em conformidade e bem decidir o que tem de ser decidido, no momento próprio e em tranquilidade".

O chefe do Governo não comentou contudo a entrevista do governador do Banco de Portugal, Carlos Costa, ao semanário Expresso, onde o responsável respondeu a declarações recentes do primeiro-ministro sobre o banco central dizendo que "seria curioso" demitir-se "por um pequeno incidente".

O Novo Banco, detido em exclusivo pelo Fundo de Resolução bancário, que consolida nas entidades públicas, deverá ser vendido até agosto de 2017, depois de a Comissão Europeia ter estendido por um ano a data para a sua alienação. No entanto, nos últimos dias, foi lançada a hipótese de o banco continuar na alçada do Estado.

Além do PCP e do Bloco de Esquerda defenderem esta solução, também o ex-presidente da instituição Vítor Bento defendeu que a nacionalização do Novo Banco poderia ser uma oportunidade para liderar o processo de consolidação bancária.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Monsanto

"Nunca pensei desistir." O jardineiro que derrubou a Monsanto

Não é um homem rico, como muitos pensam, porque ainda não recebeu a indemnização da Monsanto. Nem sabe se viverá o suficiente para assistir ao acórdão final do processo que travou contra a gigante agroquímica, dona da marca RoundUp. Ainda assim, sabe que já fez história. Na luta contra um cancro (linfoma não Hodgkin), diz que tem dores, altos e baixos, mas promete não desistir. Se houvesse cura, Dewayne Lee Johnson gostaria de criar uma fundação e dedicar-se mais à música e à arte.