Costa congratula-se com redução do número de desempregados

O número de desempregados é o menor dos últimos 16 anos e houve a maior redução homóloga de (20,5%) desde que há registos em 1989

O primeiro-ministro, António Costa, congratulou-se com a descida do número de desempregados em Portugal para um mínimo de 16 anos, realçando que para manter estes resultados é preciso continuar o investimento nas empresas.

"Hoje é também um dia importante para nós em Portugal. Soubemos há pouco que temos neste momento o menor número de desempregados desde os últimos 16 anos e tivemos a maior redução homóloga de desempregados (20,5%) desde que há registos em 1989", disse António Costa.

O primeiro-ministro falava durante a cerimónia de assinatura dos contratos relativos aos incentivos financeiros concedidos pelo Governo que permitirão um investimento superior a 100 milhões de euros naquela unidade.

O Ministério do Trabalho anunciou que o número de desempregados registados nos centros de emprego baixou em junho 20,5% relativamente ao mesmo mês de 2017, para 332,4 mil pessoas, o número mais baixo dos últimos 16 anos.

António Costa realçou que para que estes resultados na economia portuguesa aconteçam é fundamental que o investimento nas empresas continue a existir.

"É por isso que este investimento de cerca de 150 milhões de euros que o grupo Renault vai fazer na fábrica em Cacia é da maior importância para podermos prosseguir esta trajetória de crescimento económico e de criação de emprego", afirmou.

António Costa parabeniza a Renault

O governante desejou "as maiores felicidades" na execução deste contrato que, segundo o mesmo, "pode contribuir para o desenvolvimento desta fábrica e para a sua viabilidade ao longo dos próximos largos anos".

Costa deu ainda os parabéns à Renault Cacia por em 2017 ter voltado a ser, pelo terceiro ano consecutivo, a primeira fábrica do grupo Renault/Nissan/Mitsubishi em todo mundo.

O montante que vai ser investido na fábrica da Renault em Cacia, tem como objetivo dotar aquela unidade das condições necessárias à produção de uma nova geração de caixas de velocidades, estando prevista a criação de uma linha de montagem específica e a contratação de pelo menos 150 novos colaboradores.

A cerimónia foi também aproveitada para a oferta de duas viaturas a outras tantas corporações de bombeiros da região de Aveiro, naquela que foi a primeira iniciativa da Fundação Renault.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Nuno Artur Silva

Notícias da frente da guerra

Passaram cem anos do fim da Primeira Guerra Mundial. Foi a data do Armistício assinado entre os Aliados e o Império Alemão e do cessar-fogo na Frente Ocidental. As hostilidades continuaram ainda em outras regiões. Duas décadas depois, começava a Segunda Guerra Mundial, "um conflito militar global (...) Marcado por um número significativo de ataques contra civis, incluindo o Holocausto e a única vez em que armas nucleares foram utilizadas em combate, foi o conflito mais letal da história da humanidade, resultando entre 50 e mais de 70 milhões de mortes" (Wikipédia).

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.

Premium

Rui Pedro Tendinha

O João. Outra vez, o João Salaviza...

Foi neste fim de semana. Um fim de semana em que o cinema português foi notícia e ninguém reparou. Entre ex-presidentes de futebol a serem presos e desmentidos de fake news, parece que a vitória de Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos, de Renée Nader Messora e João Salaviza, no Festival do Rio, e o anúncio da nomeação de Diamantino, de Daniel Schmidt e Gabriel Abrantes, nos European Film Awards, não deixou o espaço mediático curioso.