Corticeira Amorim fecha primeiro semestre com lucros de 35 milhões

Vendas semestrais atingiram os 334 milhões de euros, o que representa uma subida de 8% face ao alcançado no primeiro semestre de 2015

A Corticeira Amorim fechou o primeiro semestre do ano com um resultado líquido de 35 milhões de euros, representando um crescimento de 34% face ao período homólogo, de acordo com os resultados da empresa, divulgados hoje pela CMVM.

Segundo informação da empresa, as vendas semestrais atingiram os 334 milhões de euros, o que representa uma subida de 8% face ao alcançado no primeiro semestre de 2015.

"Para este resultado foi importante o contributo do segundo trimestre (+9,5%), quando comparado com a performance dos três primeiros meses de 2016 (+6,3%). Esta evolução positiva foi suportada pelo efeito do volume de vendas, ocorrido em todas as unidades de negócio".

Para a Corticeira Amorim, a conjuntura favorável nos principais mercados da empresa "teve um papel importante para este resultado".

A evolução "favorável dos custos operacionais nos primeiros seis meses do ano permitiu que o EBTIDA (O lucro antes de impostos, juros, amortizações e depreciações) aumentasse 21,1%, cifrando-se nos 65,9 milhões de euros.

Ainda segundo informação da empresa, a unidade de negócio Matérias-Primas assinalou um aumento na atividade dirigida para o interno do Grupo de 7,8%, tendo acompanhado o incremento de atividade registado na unidade de negócio Rolhas.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Almeida Moreira

Bolsonaro, curiosidade ou fúria

Perante um fenómeno que nos pareça ultrajante podemos ter uma de duas atitudes: ficar furiosos ou curiosos. Como a fúria é o menos produtivo dos sentimentos, optemos por experimentar curiosidade pela ascensão de Jair Bolsonaro, o candidato de extrema-direita do PSL em quem um em cada três eleitores brasileiros vota, segundo sondagem de segunda-feira do banco BTG Pactual e do Instituto FSB, apesar do seu passado (e presente) machista, xenófobo e homofóbico.