Corte de impostos nos EUA pode ter efeitos negativos em países da zona euro

Banco Central alemão considera que o plano pode ter um efeito positivo a curto e médio prazo para a economia norte-americana

O planeado drástico corte de impostos nos Estados Unidos poderia ter efeitos negativos nalgumas economias da zona euro, assegura o Bundesbank no relatório mensal de maio hoje divulgado.

As autoridades monetárias alemãs argumentam que o projeto de alívio fiscal anunciado pelo presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, subiria o poder aquisitivo dos norte-americanos, o que teria como consequência aumentar as importações de bens e serviços de outros países para a maior economia do mundo.

O plano, adianta o relatório, fortaleceria o dólar face às outras divisas.

"Nalguns países o efeito conjunto poderia inclusivamente ser negativo", segundo o documento, que não cita países concretos, com os resultados obtidos no NiGEM (um modelo informático que simula projeções macroeconómicas).

O Bundesbank considera que o plano pode ter um efeito positivo a curto e médio prazo para a economia norte-americana, apesar de não dar como seguro, mas assegura que este impulso não teria continuidade no tempo.

Mesmo assim, o relatório defende que a subida da inflação nos Estados Unidos provocaria uma subida das taxas de juro, encarecendo assim o financiamento da dívida pública norte-americana.

Numa década, estima o Bundesbank (banco central da Alemanha), a dívida pública poderia subir em 30 pontos percentuais em relação ao produto Interno Bruto (PIB).

A autoridade bancária alemã reconhece que estes números apenas são uma estimativa, já que a reforma fiscal nos Estados Unidos ainda não está definida.

Exclusivos

Premium

história

A América foi fundada também por angolanos

Faz hoje, 25 de agosto, exatos 400 anos que desembarcaram na América os primeiros negros. Eram angolanos os primeiros 20 africanos a chegar à América - a Jamestown, colónia inglesa acabada se ser fundada no que viria a ser o estado da Virgínia. O jornal The New York Times tem vindo a publicar uma série de peças jornalísticas, inseridas no Project 1619, dedicadas ao legado da escravatura nos Estados Unidos. Os 20 angolanos de Jamestown vinham num navio negreiro espanhol, a caminho das minas de prata do México; o barco foi apresado por piratas ingleses e levados para a nova Jamestown. O destino dos angolanos acabou por ser igual ao de muitos colonos ingleses: primeiro obrigados a trabalhar como contratados e, ao fim de alguns anos, livres e, por vezes, donos de plantações. Passados sete anos, em 1626, chegaram os primeiros 11 negros a Nova Iorque (então, Nova Amesterdão) - também eram angolanos. O Jornal de Angola publicou ontem um longo dossiê sobre estes acontecimentos que, a partir de uma das maiores tragédias da História moderna, a escravatura, acabaram por juntar o destino de dois países, Angola e Estados Unidos, de dois continentes distantes.