Constâncio rejeita interferência do BCE no negócio do Banif

Constâncio garantiu que o Santander decidiu "em total liberdade"

Vítor Constâncio nega qualquer envolvimento do Banco Central Europeu (BCE) no processo que levou à compra do Banif pelo banco espanhol Santander. Questionado esta manhã, no Parlamento Europeu, por um deputado espanhol do "Podemos", sobre se o BCE teve algum tipo de intervenção no processo, Constâncio garantiu que o Santander decidiu "em total liberdade".

"O Santander tomou as próprias decisões em total liberdade e não foi coagido a qualquer tipo de decisão, para fazer o que quer que fosse em particular. Não houve imposição ou interferência com as decisões do Santander, para fazer qualquer operação. Isso é muito claro", frisou o vice-presidente do Banco Central Europeu.

O eurodeputado espanhol interrompeu, insistindo: "quer dizer que o BCE não teve nada a ver?", questionou durante na comissão de Assuntos Económicos e Monetários do Parlamento Europeu, em Bruxelas, em que Constância apresentou relatório anual do BCE.

"Não, o Santander tomou as suas decisões em liberdade total, sem pressão ou interferências no seu processo de decisão, como é claro, pois tal não podia acontecer e não aconteceu", insistiu.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Patrícia Viegas

Espanha e os fantasmas da Guerra Civil

Em 2011, fazendo a cobertura das legislativas que deram ao PP de Mariano Rajoy uma maioria absoluta histórica, notei que quando perguntava a algumas pessoas do PP o que achavam do PSOE, e vice-versa, elas respondiam, referindo-se aos outros, não como socialistas ou populares, não como de esquerda ou de direita, mas como los rojos e los franquistas. E o ressentimento com que o diziam mostrava que havia algo mais em causa do que as questões quentes da atualidade (a crise económica e financeira estava no seu auge e a explosão da bolha imobiliária teve um impacto considerável). Uma questão de gerações mais velhas, com os fantasmas da Guerra Civil espanhola ainda presente, pensei.