Constâncio rejeita interferência do BCE no negócio do Banif

Constâncio garantiu que o Santander decidiu "em total liberdade"

Vítor Constâncio nega qualquer envolvimento do Banco Central Europeu (BCE) no processo que levou à compra do Banif pelo banco espanhol Santander. Questionado esta manhã, no Parlamento Europeu, por um deputado espanhol do "Podemos", sobre se o BCE teve algum tipo de intervenção no processo, Constâncio garantiu que o Santander decidiu "em total liberdade".

"O Santander tomou as próprias decisões em total liberdade e não foi coagido a qualquer tipo de decisão, para fazer o que quer que fosse em particular. Não houve imposição ou interferência com as decisões do Santander, para fazer qualquer operação. Isso é muito claro", frisou o vice-presidente do Banco Central Europeu.

O eurodeputado espanhol interrompeu, insistindo: "quer dizer que o BCE não teve nada a ver?", questionou durante na comissão de Assuntos Económicos e Monetários do Parlamento Europeu, em Bruxelas, em que Constância apresentou relatório anual do BCE.

"Não, o Santander tomou as suas decisões em liberdade total, sem pressão ou interferências no seu processo de decisão, como é claro, pois tal não podia acontecer e não aconteceu", insistiu.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Nuno Artur Silva

Notícias da frente da guerra

Passaram cem anos do fim da Primeira Guerra Mundial. Foi a data do Armistício assinado entre os Aliados e o Império Alemão e do cessar-fogo na Frente Ocidental. As hostilidades continuaram ainda em outras regiões. Duas décadas depois, começava a Segunda Guerra Mundial, "um conflito militar global (...) Marcado por um número significativo de ataques contra civis, incluindo o Holocausto e a única vez em que armas nucleares foram utilizadas em combate, foi o conflito mais letal da história da humanidade, resultando entre 50 e mais de 70 milhões de mortes" (Wikipédia).

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.