Concurso internacional para reforço da frota da CP avança até abril

A empresa espanhola Talgo anunciou que pretende concorrer

O concurso internacional para reforço da frota da CP-Comboios de Portugal vai ser lançado até abril, como o previsto e anunciado em novembro, confirmou hoje o Ministério do Planeamento e das Infraestruturas.

O gabinete de Pedro Marques indicou que se mantém previsto o lançamento no primeiro trimestre deste ano, como anunciado no debate do Orçamento de Estado, enquanto a CP respondeu à agência Lusa que o "processo está em preparação, conforme já anunciado pela CP e pela tutela".

"Será, naturalmente, realizado ao abrigo da legislação em vigor, obedecendo a todos os requisitos e formalidades necessárias para este tipo de procedimentos", afirmou ainda fonte oficial da empresa.

Esta semana, a empresa espanhola de construção e manutenção de comboios Talgo anunciou que pretende concorrer ao concurso, numa visita que um grupo de jornalistas portugueses fez, a convite da empresa, à fábrica nos arredores de Madrid.

O responsável pelo Desenvolvimento de Negócios para a América Latina e Portugal da Talgo, João Constantino Meireles, assegurou que já há "consultas" e "conversas" para saber que tipo de comboios a CP e o Governo português pretendem comprar.

O Governo português anunciou que serão feitos grandes investimentos na ferrovia, nomeadamente em infraestruturas (linhas) e em material circulante (comboios).

Numa audição na Assembleia da República no início de novembro, o ministro do Planeamento e das Infraestruturas, Pedro Marques, acerca do Orçamento do Estado para 2018 (OE2018), destacou vários investimentos previstos para a ferrovia, na qual o executivo espera investir cerca de 360 milhões de euros, quer a nível de infraestruturas, quer de material circulante.

O responsável governamental avançou que em 2018 "será acelerado" o programa de modernização do material circulante da CP, com uma intervenção em 35 unidades, e iniciado o programa de aquisição de novo material circulante da CP.

Ler mais

Exclusivos

Ricardo Paes Mamede

DN+ Queremos mesmo pagar às pessoas para se reproduzirem?

De acordo com os dados do Banco Mundial, Portugal apresentava em 2016 a sexta taxa de fertilidade mais baixa do mundo. As previsões do INE apontam para que a população do país se reduza em mais de 2,5 milhões de habitantes até 2080, caso as tendências recentes se mantenham. Segundo os dados da OCDE, entre os países com economias mais avançadas Portugal é dos que gastam menos com políticas de apoio à família. Face a estes dados, a conclusão parece óbvia: é preciso que o Estado dê mais incentivos financeiros aos portugueses em idade reprodutiva para que tenham mais filhos.