Cinco empresas acusadas de formarem cartel na manutenção ferroviária

Mota-Engil e Teixeira Duarte entre as acusadas de formação de cartel em concursos públicos lançados pela Infraestruturas de Portugal em 2014 e 2015.

A Autoridade da Concorrência (AdC) acusou cinco empresas, incluindo a Mota-Engil e a Teixeira Duarte, e seis administradores e diretores, por formação de cartel na manutenção ferroviária.

"A AdC adotou uma Nota de Ilicitude [comunicação de acusações] contra cinco empresas de manutenção ferroviária dos grupos Mota-Engil, Comsa, Somague, Teixeira Duarte e Vossloh por constituírem um cartel em concursos públicos lançados pela Infraestruturas de Portugal, em 2014 e 2015", anunciou a AdC em comunicado, esta sexta-feira.

"As sociedades Fergrupo-Construções e Técnicas Ferroviárias,Futrifer-Indústrias Ferroviárias, Mota-Engil-Engenharia e Construção, Neopul-Sociedade de Estudos e Construções, e Somafel-Engenharia e Obras Ferroviárias, são visadas na acusação da AdC, bem como seis titulares de órgãos de administração e direção, por estarem envolvidos nas infrações", adiantou.

Segundo a AdC, a investigação "revelou que tais empresas manipularam as propostas apresentadas nos concursos lançados pela Infraestruturas de Portugal". "Para o efeito, as empresas celebraram dois acordos restritivos da concorrência visando a fixação dos preços da prestação dos serviços e a repartição dos lotes constantes de um dos concursos", frisou.

Os concursos em causa destinavam-se à prestação de serviços de manutenção de equipamentos da rede ferroviária nacional, como cancelas, agulhas, semáforos, entre outros, em Portugal continental, durante o período 2015-17.

O processo foi aberto pela AdC em outubro de 2016, "na sequência de uma denúncia apresentada no âmbito da campanha de Combate ao Conluio na Contratação Pública que a AdC tem levado a cabo, desde 2016, junto de entidades adjudicantes e das entidades com funções de fiscalização e monitorização dos procedimentos de contratação pública".

A AdC realizou operações de busca e apreensão em instalações das empresas visadas e outras empresas, localizadas nas áreas de Grande Lisboa e Porto.

A a adoção de uma Nota de Ilicitude não determina o resultado final da investigação. As empresas visadas, bem como os administradores e diretores acusados, podem exercer o seu direito de audição e defesa.

Em agosto a AdC acusou cinco seguradoras e 14 administradores de formarem um cartel e tem em curso a preparação da conclusão do processo de acusação de cartel a 15 bancos.

A AdC já tinha adiantando ao Dinheiro Vivo/Diário de Notícias que estava a investigar outros cartéis. "A Lei da Concorrência proíbe expressamente os cartéis, enquanto acordos entre empresas que restringem, por objeto e de forma sensível, a concorrência, no todo ou em parte do mercado nacional", lembrou a AdC esta sexta-feira.

Salientou que o combate aos cartéis continua a merecer a prioridade máxima da atuação do regulador, "atendendo aos prejuízos que invariavelmente causam aos cidadãos e às empresas, forçando-os a pagar preços mais elevados e reduzindo a qualidade e diversidade dos bens e serviços à sua disposição".

"A violação das regras de concorrência não só reduz o bem-estar dos consumidores, como prejudica a competitividade das empresas, penalizando a economia como um todo", concluiu. Apesar das coimas já aplicadas pela AdC nos últimos cinco anos, mas só um terço dos valores foram confirmados pelos tribunais.

Leia mais em Dinheiro Vivo a sua marca de economia

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

A ameaça dos campeões europeus

No dia 6 de fevereiro, Margrethe Vestager, numa só decisão, fez várias coisas importantes para o futuro da Europa, mas (quase) só os jornais económicos repararam. A comissária europeia para a Concorrência, ao impedir a compra da Alstom pela Siemens, mostrou que, onde a Comissão manda, manda mais do que os Estados membros, mesmo os grandes; e, por isso mesmo, fez a Alemanha e a França dizerem que querem rever as regras do jogo; relançou o debate sobre se a Europa precisa, ou não (e em que condições), de campeões para competir na economia global; e arrasou com as suas possibilidades (se é que existiam) de vir a suceder a Jean-Claude Juncker.

Premium

Anselmo Borges

Islamofobia e cristianofobia

1. Não há dúvida de que a visita do Papa Francisco aos Emirados Árabes Unidos de 3 a 5 deste mês constituiu uma visita para a história, como aqui procurei mostrar na semana passada. O próprio Francisco caracterizou a sua viagem como "uma nova página no diálogo entre cristianismo e islão". É preciso ler e estudar o "Documento sobre a fraternidade humana", então assinado por ele e pelo grande imã de Al-Azhar. Também foi a primeira vez que um Papa celebrou missa para 150 mil cristãos na Península Arábica, berço do islão, num espaço público.

Premium

Adriano Moreira

Uma ameaça à cidadania

A conquista ocidental, que com ela procurou ocidentalizar o mundo em que agora crescem os emergentes que parecem desenhar-lhe o outono, do modelo democrático-liberal, no qual a cidadania implica o dever de votar, escolhendo entre propostas claras a que lhe parece mais adequada para servir o interesse comum, nacional e internacional, tem sofrido fragilidades que vão para além da reforma do sistema porque vão no sentido de o substituir. Não há muitas décadas, a última foi a da lembrança que deixou rasto na Segunda Guerra Mundial, pelo que a ameaça regressa a várias latitudes.