Altice compra Media Capital: "Não estamos aqui a fazer política"

O presidente executivo do grupo recusou comentar as críticas do primeiro-ministro, mas deixou recados.

O presidente executivo (CEO) da Altice, Michel Combes, afirmou hoje que a compra da Media Capital representa "um forte projeto industrial" para o país e rejeitou comentar as declarações do primeiro-ministro, que na quarta-feira foi bastante crítico quanto à evolução da PT nas mãos da Altice.

O grupo anunciou hoje a compra da Media Capital à Prisa por 440 milhões de euros, numa altura em que enfrenta, além da apreensão de António Costa, o descontentamento dos trabalhadores da PT/MEO. Apesar disso, Michel Combes, disse hoje em conferência de imprensa que o grupo está "entusiasmado" com o negócio.

Questionado sobre se espera oposição política ao negócio, Michel Combes afirmou: "Não estamos aqui a fazer política, este é um forte projeto industrial para o país".

O presidente do grupo que detém a PT Portugal, comprada há dois anos, escusou-se a comentar as declarações que o primeiro-ministro, António Costa, fez sobre a operadora de telecomunicações na passada quarta-feira. No entanto, o líder do grupo, Patrick Drahi, encontra-se hoje com o chefe de Governo e também com o presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa nesta vinda a Lisboa.

Na conferência de imprensa, confrontado também com as declarações de Costa sobre o comportamento das operadoras de telecomunicações durante o período de combate às chamas em Pedrógão Grande, Michel Combes mostrou-se tranquilo.

"Os funcionários da empresa (...) estiveram muito empenhados, fizeram tudo o que era exequível para que funcionasse", garantiu, afirmando que a empresa tem "os melhores profissionais", que "estão a fazer um trabalho fantástico". "Neste tipo de circunstância, como podem imaginar, nem sempre é fácil, o tráfego explode", disse.

Na quarta-feira, no debate do Estado da nação, o primeiro-ministro António Costa manifestou-se muito apreensivo com a evolução da PT nas mãos da Altice.

"Receio bastante que a forma irresponsável como foi feita aquela privatização [pelo anterior Governo PSD/CDS-PP] possa dar origem a um novo caso Cimpor, com um novo desmembramento que ponha não só em causa os postos de trabalho, como o futuro da empresa", declarou o primeiro-ministro.

António Costa fez depois referência ao que se passou em termos de comportamento das operadoras de telecomunicações durante o período de combate às chamas no incêndio ocorrido em junho passado em Pedrógão Grande, no distrito de Leiria.

"Aliás, espero que a autoridade reguladora [para as telecomunicações, olhe com atenção só o que aconteceu com as diferentes operadoras nestes incêndios de Pedrógão Grande. Compreenderá certamente que houve algumas que conseguiram sempre manter as comunicações e houve outra que esteve muito tempo sem conseguir comunicações nenhumas - e isso é muito grave", salientou ainda o líder do executivo.

Depois, António Costa disse que, pessoalmente, enquanto consumidor de telecomunicações, já tirou conclusões face ao panorama existente no mercado nacional.

"Por mim, já fiz a minha escolha da companhia que utilizo", disse, numa nova alusão crítica à PT.

O líder social-democrata, Pedro Passos Coelho, criticou na quinta-feira à noite o primeiro-ministro por ter feito uma "admoestação pública" à empresa Altice durante o debate sobre o estado da Nação no parlamento.

Nunca, julgo eu, tinha ouvido um primeiro-ministro atirar-se assim publicamente a uma empresa. Acho que nem o engenheiro Sócrates teve coragem para fazer isto e, atualmente, o primeiro-ministro sente-se com à vontade de poder admoestar publicamente uma empresa privada", criticou Passos Coelho.

A líder do Bloco de Esquerda (BE), Catarina Martins, por seu lado, acusou quinta-feira à noite, em Coimbra, a empresa Altice de fraude e de tentativa de dobrar a lei para despedir 3.000 trabalhadores.

"O Governo disse, e bem, que a empresa não podia despedir utilizando a figura do despedimento coletivo, mas a Altice quer despedir os mesmos trabalhadores utilizando os mais variados subterfúgios legais", denunciou a dirigente bloquista.

De acordo com uma nota da Altice enviada à Lusa, a compra da Media Capital, por 440 milhões de euros, faz parte da estratégia global do grupo, que se manifesta disposto a oferecer mais conteúdos aos consumidores, apostando em produções e formatos locais.

"A integridade e independência editorial da Media Capital servirão de princípio norteador para os negócios de média da Altice", refere a nota.

Num comunicado enviado à Comissão de Mercados e Valores Mobiliários (CMVM), a MEO, detida pela Altice, explica que o objeto da Oferta Pública de Aquisição (OPA) é constituído pela totalidade das 84.513.180 ações, com o valor nominal de 1,06 euros.

A MEO explica, ainda no comunicado, que a decisão surgiu "na sequência da celebração, no dia 13 de julho de 2017, após o encerramento do mercado em Portugal, de um contrato de compra e venda de ações com a Promotora de Informaciones, S.A. ("PRISA"), para a aquisição de ações representativas de 100% do capital social da Vertix, SGPS, S.A. ("Vertix"), que é titular de ações representativas de 94,69% dos direitos de voto do Grupo Media Capital, SGPS, S.A".

Ler mais

Premium

João Almeida Moreira

Bolsonaro, curiosidade ou fúria

Perante um fenómeno que nos pareça ultrajante podemos ter uma de duas atitudes: ficar furiosos ou curiosos. Como a fúria é o menos produtivo dos sentimentos, optemos por experimentar curiosidade pela ascensão de Jair Bolsonaro, o candidato de extrema-direita do PSL em quem um em cada três eleitores brasileiros vota, segundo sondagem de segunda-feira do banco BTG Pactual e do Instituto FSB, apesar do seu passado (e presente) machista, xenófobo e homofóbico.