Metro de Lisboa: 85% das composições operacionais no final de julho

Há cerca de 20 composições com três carruagens avariadas nas oficinas do Metro à espera de arranjo

O Metropolitano de Lisboa espera ter 85% das composições que constituem a frota operacionais no final de julho, depois de o ministro do Ambiente ter previsto que o material necessário estaria disponível em maio.

Ainda segundo a empresa, prevê-se, aquando da implementação dos horários de inverno, "a plena capacidade do seu material circulante".

Em 14 de fevereiro, em comissão parlamentar, o ministro do Ambiente, João Matos Fernandes, reconheceu a existência de problemas no Metro de Lisboa, salientando que estavam a ser resolvidos e que, em maio, o serviço iria ter o material de que necessitava.

"Temos um problema [no Metro de Lisboa] e estamos a solicitar a [disponibilidade] de eletromecânicos para depressa podermos recuperar as UT [unidades triplas] que temos", afirmou João Matos Fernandes.

Questionado pela agência Lusa sobre o estado do material circulante e a previsão de quando iria começar a rodar, o Metropolitano de Lisboa reconheceu, igualmente, que "por dificuldades económicas orçamentais reduziu significativamente os trabalhos de manutenção pesada do seu material circulante nos últimos cinco anos".

"Desde janeiro de 2017 que a empresa se encontra a desenvolver os trabalhos necessários à recuperação do material circulante e da infraestrutura, estimando-se que, no final do próximo mês de julho, seja recuperada a disponibilidade operacional de 85% das composições constituintes da frota, o que permitirá à empresa dar efetiva resposta às atuais necessidades do serviço público", refere a resposta do Metro.

As unidades triplas são composições com três carruagens, estando cerca de 20 avariadas nas oficinas do Metro à espera de arranjo.

Inaugurado em 29 de dezembro de 1959, o Metro de Lisboa começou a operar com uma linha em Y e com 11 estações. Atualmente, existem quatro linhas e 56 estações.

De acordo com o Plano de Desenvolvimento Operacional da Rede do Metropolitano de Lisboa, apresentado em maio do ano passado, o Metro de Lisboa vai ter mais duas estações - Estrela e Santos --- até 2022, estando previstas também estações nas Amoreiras e em Campo de Ourique, embora nestes dois casos sem uma data prevista de conclusão.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.