Ryanair divulgou lucros, mas enfrenta greves em julho

Companhia aérea irlandesa afirmou que o impacto dos protestos pode aumentar os preços dos bilhetes

A companhia área de voos económicos Ryanair anunciou esta segunda-feira (23 de julho) um lucro líquido de 319 milhões de euros no primeiro trimestre fiscal (até 30 de junho), 20% menos do que em igual período do ano passado.

A empresa relaciona a descida com a baixa do preço da tarifa média, em 4%, situando-a nos 38,68 euros, ao aumento dos combustíveis e aos custos com trabalhadores.

A Ryanair refere também que uma parte das férias da Páscoa "ficaram fora do primeiro trimestre" e que as greves dos controladores aéreos e a falta de pessoal em vários países europeus provocaram o cancelamento de 2.500 voos entre os meses de abril e junho.

Mesmo assim, refere a companhia aérea, verificou-se um aumento de 7% no tráfego de passageiros, no primeiro trimestre de 2017, e que aumentou 9% as vendas, correspondendo a um valor de 2.079 milhões de euros.

Em comunicado, o presidente do conselho de administração, Michael O'Leary, destacou que apesar dos cancelamentos, o "fator de carga" -- que regista a percentagem de lugares ocupados em cada avião -- situou-se nos 96%, uma "cifra líder" no setor.

As vendas auxiliares, que incluem as vendas a bordo, pagamentos adicionais por bagagem ou tarifas de embarque com prioridade, aumentaram 25%.

O'Leary indicou que os custos com trabalhadores aumentaram 34% depois de um "aumento de 20% dos salários dos pilotos e de 3% nos restantes funcionários".

O tempo de horas de voo aumentou 9%, no mesmo período, acrescentou.

A companhia aérea assinala que foram firmados "acordos laborais com sindicatos de pilotos e de tripulações de cabine", depois de ter reconhecido, no passado mês de dezembro - pela primeira vez -, os sindicatos independentes.

Mesmo assim, a falta de consensos levou uma centena de pilotos na Irlanda -- 25% do total no país -- a convocarem três greves em julho, enquanto os sindicatos em Portugal, Espanha e Bélgica decretaram paralisações nos próximos dias 25 e 26 de julho, o que vai obrigar à suspensão de 600 voos da Ryanair durante esses dois dias.

"Minimizamos o impacto destas greves junto dos nossos clientes, suspendendo uma pequena parte do programa de voos com bastante tempo de antecipação em relação aos dias em causa para permitir aos passageiros que mudem de ligação ou recebam a devolução do valor que tinham despendido", disse a companhia aérea.

A Ryanair disse que vai continuar a negociar "ativamente" com os sindicatos "em toda a Europa" e que, "apesar de prever mais movimentações durante o verão", a companhia refere que não está disposta a ceder a "tantas exigências pouco razoáveis" que "podem pôr em causa o modelo altamente eficaz de tarifas baixas".

Para a companhia, o impacto dos protestos pode provocar o aumento do preço médio do bilhete.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

As vidas atrás dos espelhos

Mais do que qualquer apetite científico ou do que qualquer desejo de mergulho académico, o prazer dos documentários biográficos vai-me servindo sobretudo para aconchegar a curiosidade e a vontade de descobrir novos pormenores sobre os visados, até para poder ligar pontas que, antes dessas abordagens, pareciam soltas e desligadas. No domínio das artes, essas motivações crescem exponencialmente, até por permitirem descobrir, nas vidas, circunstâncias e contextos que ganham reflexo nas obras. Como estas coisas valem mais quando vão aparecendo naturalmente, acontecem-me por revoadas. A presente pôs-me a ver três poderosos documentos sobre gente do cinema, em que nem sempre o "valor facial" retrata o real.

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.

Premium

Rui Pedro Tendinha

O João. Outra vez, o João Salaviza...

Foi neste fim de semana. Um fim de semana em que o cinema português foi notícia e ninguém reparou. Entre ex-presidentes de futebol a serem presos e desmentidos de fake news, parece que a vitória de Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos, de Renée Nader Messora e João Salaviza, no Festival do Rio, e o anúncio da nomeação de Diamantino, de Daniel Schmidt e Gabriel Abrantes, nos European Film Awards, não deixou o espaço mediático curioso.