Ryanair divulgou lucros, mas enfrenta greves em julho

Companhia aérea irlandesa afirmou que o impacto dos protestos pode aumentar os preços dos bilhetes

A companhia área de voos económicos Ryanair anunciou esta segunda-feira (23 de julho) um lucro líquido de 319 milhões de euros no primeiro trimestre fiscal (até 30 de junho), 20% menos do que em igual período do ano passado.

A empresa relaciona a descida com a baixa do preço da tarifa média, em 4%, situando-a nos 38,68 euros, ao aumento dos combustíveis e aos custos com trabalhadores.

A Ryanair refere também que uma parte das férias da Páscoa "ficaram fora do primeiro trimestre" e que as greves dos controladores aéreos e a falta de pessoal em vários países europeus provocaram o cancelamento de 2.500 voos entre os meses de abril e junho.

Mesmo assim, refere a companhia aérea, verificou-se um aumento de 7% no tráfego de passageiros, no primeiro trimestre de 2017, e que aumentou 9% as vendas, correspondendo a um valor de 2.079 milhões de euros.

Em comunicado, o presidente do conselho de administração, Michael O'Leary, destacou que apesar dos cancelamentos, o "fator de carga" -- que regista a percentagem de lugares ocupados em cada avião -- situou-se nos 96%, uma "cifra líder" no setor.

As vendas auxiliares, que incluem as vendas a bordo, pagamentos adicionais por bagagem ou tarifas de embarque com prioridade, aumentaram 25%.

O'Leary indicou que os custos com trabalhadores aumentaram 34% depois de um "aumento de 20% dos salários dos pilotos e de 3% nos restantes funcionários".

O tempo de horas de voo aumentou 9%, no mesmo período, acrescentou.

A companhia aérea assinala que foram firmados "acordos laborais com sindicatos de pilotos e de tripulações de cabine", depois de ter reconhecido, no passado mês de dezembro - pela primeira vez -, os sindicatos independentes.

Mesmo assim, a falta de consensos levou uma centena de pilotos na Irlanda -- 25% do total no país -- a convocarem três greves em julho, enquanto os sindicatos em Portugal, Espanha e Bélgica decretaram paralisações nos próximos dias 25 e 26 de julho, o que vai obrigar à suspensão de 600 voos da Ryanair durante esses dois dias.

"Minimizamos o impacto destas greves junto dos nossos clientes, suspendendo uma pequena parte do programa de voos com bastante tempo de antecipação em relação aos dias em causa para permitir aos passageiros que mudem de ligação ou recebam a devolução do valor que tinham despendido", disse a companhia aérea.

A Ryanair disse que vai continuar a negociar "ativamente" com os sindicatos "em toda a Europa" e que, "apesar de prever mais movimentações durante o verão", a companhia refere que não está disposta a ceder a "tantas exigências pouco razoáveis" que "podem pôr em causa o modelo altamente eficaz de tarifas baixas".

Para a companhia, o impacto dos protestos pode provocar o aumento do preço médio do bilhete.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.