Ryanair divulgou lucros, mas enfrenta greves em julho

Companhia aérea irlandesa afirmou que o impacto dos protestos pode aumentar os preços dos bilhetes

A companhia área de voos económicos Ryanair anunciou esta segunda-feira (23 de julho) um lucro líquido de 319 milhões de euros no primeiro trimestre fiscal (até 30 de junho), 20% menos do que em igual período do ano passado.

A empresa relaciona a descida com a baixa do preço da tarifa média, em 4%, situando-a nos 38,68 euros, ao aumento dos combustíveis e aos custos com trabalhadores.

A Ryanair refere também que uma parte das férias da Páscoa "ficaram fora do primeiro trimestre" e que as greves dos controladores aéreos e a falta de pessoal em vários países europeus provocaram o cancelamento de 2.500 voos entre os meses de abril e junho.

Mesmo assim, refere a companhia aérea, verificou-se um aumento de 7% no tráfego de passageiros, no primeiro trimestre de 2017, e que aumentou 9% as vendas, correspondendo a um valor de 2.079 milhões de euros.

Em comunicado, o presidente do conselho de administração, Michael O'Leary, destacou que apesar dos cancelamentos, o "fator de carga" -- que regista a percentagem de lugares ocupados em cada avião -- situou-se nos 96%, uma "cifra líder" no setor.

As vendas auxiliares, que incluem as vendas a bordo, pagamentos adicionais por bagagem ou tarifas de embarque com prioridade, aumentaram 25%.

O'Leary indicou que os custos com trabalhadores aumentaram 34% depois de um "aumento de 20% dos salários dos pilotos e de 3% nos restantes funcionários".

O tempo de horas de voo aumentou 9%, no mesmo período, acrescentou.

A companhia aérea assinala que foram firmados "acordos laborais com sindicatos de pilotos e de tripulações de cabine", depois de ter reconhecido, no passado mês de dezembro - pela primeira vez -, os sindicatos independentes.

Mesmo assim, a falta de consensos levou uma centena de pilotos na Irlanda -- 25% do total no país -- a convocarem três greves em julho, enquanto os sindicatos em Portugal, Espanha e Bélgica decretaram paralisações nos próximos dias 25 e 26 de julho, o que vai obrigar à suspensão de 600 voos da Ryanair durante esses dois dias.

"Minimizamos o impacto destas greves junto dos nossos clientes, suspendendo uma pequena parte do programa de voos com bastante tempo de antecipação em relação aos dias em causa para permitir aos passageiros que mudem de ligação ou recebam a devolução do valor que tinham despendido", disse a companhia aérea.

A Ryanair disse que vai continuar a negociar "ativamente" com os sindicatos "em toda a Europa" e que, "apesar de prever mais movimentações durante o verão", a companhia refere que não está disposta a ceder a "tantas exigências pouco razoáveis" que "podem pôr em causa o modelo altamente eficaz de tarifas baixas".

Para a companhia, o impacto dos protestos pode provocar o aumento do preço médio do bilhete.

Exclusivos

Premium

história

A América foi fundada também por angolanos

Faz hoje, 25 de agosto, exatos 400 anos que desembarcaram na América os primeiros negros. Eram angolanos os primeiros 20 africanos a chegar à América - a Jamestown, colónia inglesa acabada se ser fundada no que viria a ser o estado da Virgínia. O jornal The New York Times tem vindo a publicar uma série de peças jornalísticas, inseridas no Project 1619, dedicadas ao legado da escravatura nos Estados Unidos. Os 20 angolanos de Jamestown vinham num navio negreiro espanhol, a caminho das minas de prata do México; o barco foi apresado por piratas ingleses e levados para a nova Jamestown. O destino dos angolanos acabou por ser igual ao de muitos colonos ingleses: primeiro obrigados a trabalhar como contratados e, ao fim de alguns anos, livres e, por vezes, donos de plantações. Passados sete anos, em 1626, chegaram os primeiros 11 negros a Nova Iorque (então, Nova Amesterdão) - também eram angolanos. O Jornal de Angola publicou ontem um longo dossiê sobre estes acontecimentos que, a partir de uma das maiores tragédias da História moderna, a escravatura, acabaram por juntar o destino de dois países, Angola e Estados Unidos, de dois continentes distantes.