Como não derrapar no crédito automóvel

Com o crédito automóvel a aumentar, o Banco de Portugal indicou os fatores a estar atento antes de se contratar este tipo de financiamento.

O crédito para compra de carro, seja para novos ou usados, tem acelerado nos últimos meses. São feitos quase 600 contratos por dia e nos primeiros cinco meses do ano foram emprestados 1,26 mil milhões, mais 200 milhões do que no mesmo período de 2016.

Os portugueses não dão sinais de refrear no crédito automóvel. E o Banco de Portugal apresentou na sexta-feira algumas recomendações para não se ser apanhado em contramão nestes empréstimos. Para começar, antes de carregar na ignição do crédito convém estudar todas as modalidades de crédito automóvel que existem, desde o leasing, o aluguer de longa duração (ALD) e o crédito com e sem reserva de propriedade.

"Se está a ponderar adquirir um automóvel, saiba que existem várias modalidades de crédito ao seu dispor. Pondere e escolha a que melhor se adequa à sua situação financeira e às suas preferências", aconselha.

Após saber qual o tipo de crédito que mais convém, é hora de calcular custos. "Analise com atenção o custo de outras opções de crédito. Compare e escolha a opção que mais se adequa às suas necessidades."

O Banco de Portugal relembra que a TAEG (taxa anual de encargos efetiva global) não pode exceder o máximo deliberado pelo próprio supervisor. E realça que "no crédito automóvel, as taxas máximas variam consoante a modalidade de crédito, mas também consoante o veículo seja novo ou usado". Em geral, os créditos para compra de carros novos têm taxas máximas mais baixas do que os créditos para os usados. E os leasings e ALD também tendem a ter juros máximos mais reduzidos do que a do crédito com ou sem reserva de propriedade.

Leia mais em Dinheiro Vivo a sua marca de economia

Ler mais

Exclusivos

Premium

Nuno Artur Silva

Notícias da frente da guerra

Passaram cem anos do fim da Primeira Guerra Mundial. Foi a data do Armistício assinado entre os Aliados e o Império Alemão e do cessar-fogo na Frente Ocidental. As hostilidades continuaram ainda em outras regiões. Duas décadas depois, começava a Segunda Guerra Mundial, "um conflito militar global (...) Marcado por um número significativo de ataques contra civis, incluindo o Holocausto e a única vez em que armas nucleares foram utilizadas em combate, foi o conflito mais letal da história da humanidade, resultando entre 50 e mais de 70 milhões de mortes" (Wikipédia).

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.

Premium

Rui Pedro Tendinha

O João. Outra vez, o João Salaviza...

Foi neste fim de semana. Um fim de semana em que o cinema português foi notícia e ninguém reparou. Entre ex-presidentes de futebol a serem presos e desmentidos de fake news, parece que a vitória de Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos, de Renée Nader Messora e João Salaviza, no Festival do Rio, e o anúncio da nomeação de Diamantino, de Daniel Schmidt e Gabriel Abrantes, nos European Film Awards, não deixou o espaço mediático curioso.