Como não derrapar no crédito automóvel

Com o crédito automóvel a aumentar, o Banco de Portugal indicou os fatores a estar atento antes de se contratar este tipo de financiamento.

O crédito para compra de carro, seja para novos ou usados, tem acelerado nos últimos meses. São feitos quase 600 contratos por dia e nos primeiros cinco meses do ano foram emprestados 1,26 mil milhões, mais 200 milhões do que no mesmo período de 2016.

Os portugueses não dão sinais de refrear no crédito automóvel. E o Banco de Portugal apresentou na sexta-feira algumas recomendações para não se ser apanhado em contramão nestes empréstimos. Para começar, antes de carregar na ignição do crédito convém estudar todas as modalidades de crédito automóvel que existem, desde o leasing, o aluguer de longa duração (ALD) e o crédito com e sem reserva de propriedade.

"Se está a ponderar adquirir um automóvel, saiba que existem várias modalidades de crédito ao seu dispor. Pondere e escolha a que melhor se adequa à sua situação financeira e às suas preferências", aconselha.

Após saber qual o tipo de crédito que mais convém, é hora de calcular custos. "Analise com atenção o custo de outras opções de crédito. Compare e escolha a opção que mais se adequa às suas necessidades."

O Banco de Portugal relembra que a TAEG (taxa anual de encargos efetiva global) não pode exceder o máximo deliberado pelo próprio supervisor. E realça que "no crédito automóvel, as taxas máximas variam consoante a modalidade de crédito, mas também consoante o veículo seja novo ou usado". Em geral, os créditos para compra de carros novos têm taxas máximas mais baixas do que os créditos para os usados. E os leasings e ALD também tendem a ter juros máximos mais reduzidos do que a do crédito com ou sem reserva de propriedade.

Leia mais em Dinheiro Vivo a sua marca de economia

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.