Comissão Europeia volta a investigar concessão de barragens à EDP

Depois de um longo processo sobre um eventual "auxílio de Estado", Bruxelas interroga agora o Governo sobre os contratos celebrados entre o Governo e a EDP, em 2007, sem concurso público

O Governo tem até ao final de setembro para explicar à Comissão Europeia uma questão difícil: de que forma é que justifica que um Executivo anterior (o de José Sócrates, em 2007) tenha acordado diretamente com a EDP a renovação dos contratos de exploração de 27 barragens, sem qualquer tipo de concurso público.

A direção-geral do Mercado Interno informou Nuno Brito, o representante permanente de Portugal junto da União Europeia, de que os serviços da Comissão precisam de esclarecimentos que contrariem uma "avaliação preliminar", negativa. Olhando para a lei do Domínio Público Hídrico, o decreto-lei 226-A/2007, a Comissão encontra um problema: "Com efeito, trata-se de atribuir às autoridades adjudicantes e aos concessionários a possibilidade de modificar os contratos em questão apenas com base num acordo entre as duas partes. Essa possibilidade não parece justificar as modificações dos contratos à luz dos princípios do Tratado e também não cumpre nenhuma das situações em que a modificação dos contratos de concessão é possível."

Segundo a mesma carta, a lei Europeia "obrigava as autoridades portuguesas a seguir um procedimento de concurso", para prolongar os contratos das barragens. Por isso, esclarece a Comissão, a decisão do Governo Sócrates, delineada pelo ministro da Economia Manuel Pinho, levanta "sérias dúvidas quanto à sua compatibilidade com o direito europeu em matéria de contratação pública".

Ao atual Governo Bruxelas pede, agora, "os argumentos e a fundamentação jurídica" que levaram o Executivo de 2007 a tomar a decisão que tomou. Muito concretamente, os "elementos de clarificação e justificação" que permitam explicar por que razão as barragens foram concessionadas à EDP sem concurso.

Este argumento que Bruxelas agora invoca não é novo. O ex-presidente do regulador da energia, a ERSE, já o tinha usado no seu depoimento perante os deputados da comissão de inquérito que investiga as rendas do setor. Vítor Santos afirmou no Parlamento que a concessão das barragens à EDP tinha esse problema inicial: "Não era impossível fazer aquilo que foi feito pelo Governo na altura, mas a ser feito era necessário que tivesse existido um concurso público", considerou o antigo regulador, acrescentando que "o concurso público seria obrigatório".

A comissária da Concorrência, Margreth Vestager, em maio de 2017, concluiu que "a medida que confere à EDP o direito a explorar centrais hidroelétricas por um período alargado mediante o pagamento de um montante de 704 milhões de EUR não preenche todas as condições cumulativas do artigo 107.o, n.o 1, do Tratado, pelo que não constitui um auxílio estatal." Mas Bruxelas ainda não fechou o dossiê das barragens, que também está a ser avaliado no Parlamento e investigado pelo Ministério Público.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Bernardo Pires de Lima

Em contagem decrescente

O brexit parece bloqueado após a reunião de Salzburgo. Líderes do processo endureceram posições e revelarem um tom mais próximo da rutura do que de um espírito negocial construtivo. A uma semana da convenção anual do partido conservador, será ​​​​​​​que esta dramatização serve os objetivos de Theresa May? E que fará a primeira-ministra até ao decisivo Conselho Europeu de novembro, caso ultrapasse esta guerrilha dentro do seu partido?

Premium

Catarina Carvalho

O populismo na campanha Marques Vidal

Há uma esperança: não teve efeito na opinião pública a polémica da escolha do novo procurador-geral da República. É, pelo menos, isso que dizem os estudos de opinião - o número dos que achavam que Joana Marques Vidal devia continuar PGR permaneceu inalterável entre o início do ano e estas últimas semanas. Isto retirando o facto, já de si notável, de que haja sondagens sobre este assunto.