Cofres menos cheios explicam subida mínima da dívida pública

Valor em euros continua a subir, mas cada vez mais devagar. Rácio cai para 125,7% do PIB, abaixo do previsto. maior ajuda à travagem da dívida veio dos depósitos.

O rácio da dívida pública medido em percentagem do produto interno bruto (PIB) terá registado a maior descida em duas décadas em 2017. Ficou próximo de 125,7% do PIB, considerando as últimas estimativas da Comissão Europeia para o tamanho da economia.

A descida do ano passado rondará, assim, 4,4 pontos percentuais, mas o rácio continua muito elevado. Mesmo com estes progressos continuará a ser o terceiro maior da Europa, atrás dos 179,6% da Grécia e dos 132% de Itália.

O Banco de Portugal, a entidade responsável pelo apuramento da dívida, revelou ontem que o endividamento total das administrações públicas portuguesas apurado na ótica de Maastricht (a que conta para Bruxelas) fixou-se em 242,6 mil milhões de euros. É uma carga elevada, vista como uma grande vulnerabilidade para as contas e o país caso haja algum acidente de mercado, subida de taxas de juro ou nova crise económica que empurre o país para a estagnação ou recessão. Estes têm sido os avisos repetidos dos grandes credores (Comissão, União Europeia, FMI) ou das agências de rating.

No final de dezembro, a dívida cresceu 0,7% face ao final de 2016 naquela que é a variação mais baixa desde 1997. É preciso recuar 20 anos para ver o stock a descer 2,4%. Foi o único ano da história recente em que tal aconteceu.

Nos últimos meses, há sinais de que a descida já começou. Exceção feita a 2016, ano perturbado pelo enorme esforço público de ajuda ao Banif no final de 2015 e pela necessidade de acumular fundos para capitalizar a CGD (operação que acabou adiada para o início de 2017).

Em todo o caso, a expansão da dívida pública tem sido o traço característico das últimas décadas, atingindo picos entre 2009 e 2012, com taxas de crescimento de dois dígitos ou próximas disso.

Mais recentemente, a compressão do défice público tem ajudado a travar a acumulação exagerada de dívida. Adicionalmente, os programas do BCE foram e estão a ser decisivos para baixar dramaticamente as taxas de juro, permitindo às Finanças trocar dívida cara por outra mais barata. As taxas das obrigações a dez anos negoceiam hoje abaixo de 2%, perto de mínimos de sempre.

Cofres menos cheios

Trocar dívida por outra foi, basicamente, o que aconteceu em 2017 e o Banco de Portugal dá conta disso. O pagamento antecipado ao FMI deu um contributo para baixar a dívida em 10 mil milhões de euros, mas o Estado acabou por endividar-se (dinheiro novo) em mais 9,4 mil milhões (através de obrigações e outros títulos de dívida) no decurso do ano transato.

Foram os depósitos, que integram a chamada almofada de segurança da República (que conta como endividamento), que permitiram evitar uma nova escalada da dívida. Com taxas de juro mais baixas, menor défice para financiar e nenhum banco ao virar da esquina para salvar, pelo menos para já, o Tesouro pôde começar a esvaziar ligeiramente os "cofres". Foi o que aconteceu na reta final de 2017.

Segundo o Banco de Portugal, "os ativos em depósitos das administrações públicas diminuíram 2,9 mil milhões de euros". Uma descida de 13%. Atualmente, estes cofres da tesouraria terão lá guardados 19,6 mil milhões de euros.

O recuo na dívida é significativo também porque em 2016 a almofada de segurança engordou, de forma desproporcionada, quase 24% face a 2015. Assim foi porque as Finanças começaram a acumular dinheiro para depois "investir" na CGD (em 2017). Foram 3,5 mil milhões de euros de uma assentada.

Ainda esta semana, Mário Centeno, ministro das Finanças, aludiu a essa operação histórica. "O investimento público é uma prioridade, consciente, do governo. Efetuámos o maior investimento na banca pública de que há memória."

Com o dossiê Caixa resolvido, o governo espera continuar a reduzir a dívida. A meta deste ano é 123,5% do PIB, talvez menos uma vez que o ponto de partida é um pouco mais baixo.

Mas o país está na zona de perigo, avisa Bruxelas. Num estudo recente, disse que "no médio prazo", Portugal e outros quatro países (Itália, França, Bélgica e Espanha) compõem o grupo de alto risco caso as taxas de juro comecem a subir.

Ler mais

Exclusivos

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.

Premium

Rui Pedro Tendinha

O João. Outra vez, o João Salaviza...

Foi neste fim de semana. Um fim de semana em que o cinema português foi notícia e ninguém reparou. Entre ex-presidentes de futebol a serem presos e desmentidos de fake news, parece que a vitória de Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos, de Renée Nader Messora e João Salaviza, no Festival do Rio, e o anúncio da nomeação de Diamantino, de Daniel Schmidt e Gabriel Abrantes, nos European Film Awards, não deixou o espaço mediático curioso.