CMVM suspende negociação das ações do BPI

CMVM aguarda por "divulgação de informação relevante". Decisão acontece no dia da assembleia geral para discutir o fim da limitação de votos e que poderá dar ao espanhol Caixabank o efetivo controlo do banco

A Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM) suspendeu hoje a negociação do Banco Português de Investimento (BPI), refere hoje uma comunicação publicada na página da CMVM na Internet.

"O conselho de administração da Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM) deliberou, nos termos do artigo 214.º e da alínea b) do n.º 2 do artigo 213.º do Código dos Valores Mobiliários, a suspensão da negociação das ações do Banco BPI, S.A., até à divulgação de informação relevante", acrescenta a nota sem mais detalhes.

A decisão da CMVM acontece no mesmo dia em que se realizam duas assembleias gerais do BPI: uma para eleger a mesa da assembleia-geral e outra, mais polémica, para discutir o fim da limitação de votos e que poderá dar ao espanhol Caixabank o efetivo controlo do banco.

A partir das 11:30 decorre a segunda reunião magna, que vai tratar da questão da desblindagem de estatutos, que ganhou mais relevância devido à "guerra" existente entre os principais acionistas do banco português, o espanhol Caixabank e a angolana Santoro, de Isabel dos Santos, filha do Presidente de Angola, José Eduardo dos Santos.

Este conflito acionista estalou por causa das regras do Banco Central Europeu que obrigam a uma redução da exposição excessiva do banco a Angola, mas fez perceber a falta de entendimento não só quanto a uma solução para este problema mas também numa estratégia para o BPI, levando a um impasse.

Apesar de o CaixaBank ter cerca de 45% do capital social, tem praticamente o mesmo poder da 'holding' Santoro, que tem cerca de 19% do capital, uma vez que as regras estatutárias do BPI limitam os votos em assembleia-geral a um máximo de 20%.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Almeida Moreira

Bolsonaro, curiosidade ou fúria

Perante um fenómeno que nos pareça ultrajante podemos ter uma de duas atitudes: ficar furiosos ou curiosos. Como a fúria é o menos produtivo dos sentimentos, optemos por experimentar curiosidade pela ascensão de Jair Bolsonaro, o candidato de extrema-direita do PSL em quem um em cada três eleitores brasileiros vota, segundo sondagem de segunda-feira do banco BTG Pactual e do Instituto FSB, apesar do seu passado (e presente) machista, xenófobo e homofóbico.